Porque é que o capitalismo gera pobreza? O filme “O Capital no Século XXI”, realizado pelo documentarista neozelandês Justin Pemberton, explica tudo, baseado no bestseller internacional do famoso economista Thomas Piketty (que vendeu mais de três milhões de cópias em todo o mundo e colocou Piketty na lista das pessoas mais influentes da Time Magazine).

Este documentário é uma reveladora jornada pela riqueza e pelo poder, um filme que desmonta o popular pressuposto de que a acumulação de capital acompanha o progresso social, lançando uma nova luz sobre as crescentes desigualdades da atualidade.

“Eu adoro filmes. Em Paris, vou sempre ao cinema. Vou pelo menos duas vezes por semana, ver todo o tipo de filmes. Assim, quando o Justin Pemberton me procurou com o seu projeto, achei que era uma forma maravilhosa de alcançar um público mais amplo e diferente e, acima de tudo, permitia usar uma linguagem diferente para falar sobre o capital no século XXI. Eu acredito na linguagem das ciências sociais, mas também penso que é insuficiente e que precisa de ser complementada com a linguagem dos romances, dos desenhos animados, da cultura popular, da arte. Mas que fique bem claro que eu não me tornei realizador. Sou escritor e cientista social. Mas acredito que o filme é um excelente complemento para o livro e estou grato ao Justin e a toda a equipa por o terem transporto para o grande ecrã”, comentou Thomas Piketty, economista especialista no estudo das desigualdades económicas.

Segundo o realizador, aquilo que mais o impressionou “foi que a pesquisa de Thomas Piketty identificou e desmentiu o pressuposto de que, nas sociedades capitalistas, as coisas melhoram naturalmente de geração para geração. As suas flagrantes conclusões revelam que a menos que haja uma guerra ou algum tipo de grande reestruturação da sociedade e da economia as coisas não melhoram. Em vez disso, é provável que a desigualdade aumente, porque o capital tem um impulso instintivo para se concentrar; isso significa que as heranças recuperaram a sua importância, porque nas economias capitalistas maduras do mundo (essencialmente, “o ocidente”), a maioria dos jovens corre o grande risco de vir a ser mais pobre do que os seus pais. A ascensão do grande capital é a história económica dominante da nossa época.”

“Um registo abrangente do aumento da desigualdade (…) um livro imperdível para qualquer pessoa interessada numa questão que tanto define a nossa época”, escreveu John Cassidy, no New Yorker.

“O Capital no Século XXI” será distribuído pela Alambique Filmes e deverá estrear nas salas de cinema portuguesas ainda este ano.