Chris Petit e Matías Piñeiro serão os realizadores em foco na próxima edição do Porto/Post/Doc, a decorrer entre 24 de novembro e 2 de dezembro, no Teatro Municipal do Porto – Rivoli, no Cinema Passos Manuel, no Cinema Trindade, no Planetário do Porto – Centro Ciência Viva e na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e Escola das Artes – UCP.

Realizador e escritor, Chris Petit teve uma estreia fulgurante com a sua primeira longa-metragem, “Radio On”, de 1979. Um road movie que tem como pano de fundo a paisagem britânica e uma banda sonora arrojada que conta com músicas de David Bowie, Kraftwerk, entre outros. As figuras marginais, como Peter Whitehead, a experimentação dos meios audiovisuais (trabalhou inclusivamente para televisão) e o cruzamento entre as imagens e a deriva urbana, que explorou juntamente com Iain Sinclair, são alguns traços gerais dos filmes realizados ao longo dos últimos 40 anos.

No Porto/Post/Doc será possível ver grande parte da obra de Chris Petit, num programa que reúne curtas e longas metragens, algumas das quais exibidas pela primeira vez em Portugal. O realizador estará no Porto para apresentar os seus filmes, nomeadamente Negative Space, um filme experimental que reflete sobre o modo como vemos e recordamos as imagens, cuja projeção será seguida de uma conversa com Laura Mulvey, uma das mais importantes investigadoras de cinema da atualidade.

Outro destaque anunciado hoje é o foco na obra de Matías Piñeiro, que também estará presente no festival. Com apenas 36 anos, o realizador argentino, que se tem dedicado sobretudo a adaptações livres de textos de Shakespeare para cinema, é uma das jovens promessas do cinema latino-americano. No Porto/Post/Doc serão apresentados cinco dos seus filmes: “Una Mujer Silenciosa, “Viola, “In The Museum, “La Princesa de Francia (nomeado para melhor filme no Festival de Locarno) e “Hermia & Helena. Matías Piñeiro apresentará ainda uma carta branca no festival: “Il Monte delle Formiche, do realizador Riccardo Palladino, filme apresentado em estreia nacional.

Chris Petit e Matías Piñeiro juntam-se assim à programação já anunciada: uma retrospetiva integral do “cinema do real” de António Reis e Margarida Cordeiro, pioneiros na simbiose entre cinema documental e ficção. No âmbito da retrospetiva integral, o Porto/Post/Doc irá apresentar a exposição “Como o sol/ Como a noite”, que revisita a obra dos cineastas através de diferentes abordagens artísticas – da poesia à instalação, da pintura à fotografia, passando pela escultura –, colocando em diálogo obras de artistas consagrados, de artistas emergentes, cineastas e escritores. A exposição será inaugurada no dia 22 de novembro, pelas 18h, no Museu da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e reunirá obras de André Cepeda, Catarina Real, Daniel Blaufuks, Joana Patrão, João Queiroz, João Salaviza, Renée Nader Messora, Manuel de Freitas, Mariana Caló, Francisco Queimadela, Otelo M. F., Rui Chafes, Marta Mateus e Maria Capelo.

A secção “Transmission”, que promete dar a ver e ouvir o melhor da música contemporânea através de filmes, concertos e performances, já se encontra com o programa fechado. A estreia nacional de “Sign O’ The Times”, escrito e realizado pelo músico Prince, marca a cerimónia de entrega de prémios do festival, no dia 2 de dezembro, no Teatro Municipal do Porto – Rivoli.

A 5.ª edição do Porto/Post/Doc inclui ainda documentários que olham alguns dos nomes que marcam o presente do panorama musical nacional: “Ainda Tenho Um Sonho Ou Dois – A História Dos Pop Dell’Arte”, de Nuno Duarte e Nuno Galopim, “PAUS Madeira”, de Ernesto Bacalhau, e “Escola do Rock”, de Amadeu Pena da Silva, coproduzido pelo próprio festival. Regresso, ainda, à década de 80 com a nostalgia de “Chico Fininho”, o mítico filme de Sério Fernandes.

Programação

Foco Matías Piñeiro
Hermia & Helena, Matías Piñeiro, fic., EUA, Argentina, 2016, 87′
Il Monte delle Formiche, Riccardo Palladino, doc., Itália, 2017, 63′
In the Museum, Matías Piñeiro, doc., 2015, Argentina, 9′
La Princesa de Francia (The Princess of France), Matías Piñeiro, fic., 2014, Argentina, 66′
Una Mujer Silenciosa (A Silent Woman), Matías Piñeiro, fic., Argentina, 2002, 21′
Viola, Matías Piñeiro, fic., Argentina, 63′

Foco Chris Petit
Asylum, Christopher Petit, Iain Sinclair, exp., Reino Unido, 2000, 56′
Content, Christopher Petit, doc., Reino Unido, 2010, 77′
Dead TV, Christopher Petit, fic., Reino Unido, 1999, 11′
Falconer, Christopher Petit, Iain Sinclair, doc., Reino Unido, 1998, 56′
Moving Pictures: J G Ballard, Christopher Petit, doc., Reino Unido, 1991, 12′
Negative Space, Christopher Petit, doc., Reino Unido, 2000, 39′
Radio On, Christopher Petit, fic., Reino Unido, Alemanha Ocidental, 1979, 104′
Rudy Wurlitzer, Christopher Petit, doc., Reino Unido, 1994, 15′
Surveillance, Christopher Petit, doc., Reino Unido, 1993, 10′

Transmission
Ainda Tenho Um Sonho Ou Dois – A História Dos Pop Dell’Arte, Nuno Duarte, Nuno Galopim, doc., Portugal, 54′, 2018
Escola do Rock, Amadeu Pena Silva, doc., Portugal, 50′ , 2018
MATANGI / MAYA / M.I.A., Steve Loveridge, doc., EUA, Reino Unido, Sri Lanka, 97′, 2018
Chico Fininho, Sério Fernandes, fic., Portugal, 87′, 1982
O Espírito de Pucho Boedo, Lois Patiño, doc., Espanha, 66′, 2018
PAUS Madeira, Ernesto Bacalhau, doc., Portugal, 44′, 2018
Rudeboy: The Story Of Trojan Records, Nicolas Jack Davies, doc., EUA, 81′, 2018
Ryuichi Sakamoto: Async at the Park Avenue Armory, Stephen Nomura Schible, doc., EUA, Japão, 65′, 2018
Sign O’ The Times, Prince, doc., EUA, 87′, 1987
The Velvet Underground Played At My High School, Tony Jannelli, Robert Pietri, doc. EUA, 8′, 2018

Fonte: Porto/Post/Doc