Arranca hoje a 3ª edição do Porto/Post/Doc, que regressa à baixa do Porto até 4 de dezembro, no Rivoli, no Passos Manuel e no Maus Hábitos, “um festival de cinema de dimensão internacional, centrado nas novas formas do cinema contemporâneo, com especial ênfase no documentário. Serão nove dias e mais de cem atividades, divididas entre sessões, com filmes de diversos temas, debates, oficinas, aulas de cinema e festas.”

A sessão de abertura está marcada para as 22h, no Teatro Municipal Rivoli com o filme “Cinema Novo” do brasileiro Eryk Rocha, um filme sobre o movimento estético e cinéfilo que ficou conhecido como “cinema novo brasileiro”, o qual Glauber Rocha foi um dos principais autores.

Em 2016, os focos do festival vão recair sobre o brasileiro Eryk Rocha e o Sensory Ethnography Lab, “um dos laboratórios de documentários mais entusiasmantes da última década” responsável por trabalhos como o multipremiado filme de terror “Leviathan”, distinguido no IndieLisboa 2013.

Um dos pontos mais importantes da programação do Porto/Post/Doc é a sua competição, “composta por treze filmes produzidos no último ano. Nesta edição, esta Competição comprova que “as nossas histórias são reais”, e, por isso, assumimos as formas híbridas de documentário e ficção. Completam a nossa programação secções como Transmission (com diversos filmes onde a música é a protagonista, mas também com festas e concertos), Cinefiesta (mais uma seleção de excelentes documentários espanhóis), Cinema Falado (filmes relacionados com cineastas portugueses ou temáticas da cultura portuguesa), Working Class Heroes (mais uma sessão da nossa retrospetiva in progress do cineasta americano Lionel Rogosin) e Doc is the New Black (um retrato cáustico e real de John Casablancas, personagem inventor do conceito das supermodelos).”

Vão estar em competição filmes como “Eldorado XXI” de Salomé Lamas, “Tarrafal” de Pedro Neves, “Território” de Alexandra Cuesta, “Under the Sun” de Vitaly Mansky e “Ascent” de Fiona Tan, entre outros. O júri é composto por Cornelia Lund, Matthieu Orléan, Isabel Capeloa Gil, Leonor Teles e Joana Pimenta.

Entre as várias secção vão passar vários documentários, entre os quais “Gimme Danger” (2016) de Jim Jarmusch sobre The Stooges, “Fumando um Cigarro com Álvaro Siza” de Ian Dilthey e “Silêncio” de Christophe Bisson.

Na secção Transmission, dedicada a trabalhos sobre música, vão participar documentários como “Rendufe”, de Miguel Filgueiras, que acompanhou a gravação do disco de Filho da Mãe, ou “Raving Iran”, com o destaque da própria organização a ser dado a “Gimme Danger”, canção da banda The Stooges que dá nome ao mais recente documentário de Jim Jarmusch.

Com o objectivo de formar novos públicos e alargar mais o festival, este apresenta duas novidades essenciais: “o Mini – um programa dedicado aos mais pequenos, com oficinas e sessões de cinema –, e a Competição de Escolas – uma seleção de treze títulos com filmes produzidos em escolas portuguesas ou por estudantes portugueses.”

O Porto Post Doc termina a 3 de dezembro com “Bowie, O Homem dos Cem Rostos ou o Fantasma de Hérouville”, de Gaetan Chataigner e Christophe Conte.

porto-post-doc-2016_2

Fonte: Porto Post Doc