Foi hoje revelado o vencedor do Prémio de Cinema LUX 2018, atribuído pelo Parlamento Europeu durante a sessão solene em Estrasburgo. “Woman at War”, do islandês Benedikt Erlingsson, uma comédia dramática ambientalista e feminista sobre uma mulher que declara guerra à indústria local de alumínio nas Terras Altas da Islândia, venceu o grande prémio LUX 2017, triunfando sobre os outros dois nomeados, “Styx”de Wolfgang Fischer (Alemanha/Áustria) e “The Other Side of Everything”, de Mila Turajlić (Sérvia/França/Catar).

Os deputados do Parlamento Europeu tiveram a oportunidade de votar desde 15 de outubro até ontem, 13 de novembro, no que acabou por ser a competição mais renhida da história do Prémio LUX.

“Woman at War”, a terceira longa-metragem de Benedikt Erlingsson, é uma coprodução entre França, Islândia e Ucrânia que estreou no Festival de Cannes de 2018 na Semana Internacional da Crítica, tendo os argumentistas Ólafur Egilsson e Benedikt Erlingsson arrecadado o prémio SACD.

Ao receber o prémio, o realizador declarou “Sinto-me honrado por estar aqui no templo do poder da legislação. Sinto-me como um político e acho que os políticos também são contadores de histórias. Na verdade, também são corajosos, porque estão a enfrentar os verdadeiros desafios da luta contra as mudanças climáticas. Elas serão o centro de toda a política futura.”

O Prémio Lux, criado pelo PE em 2007, é atribuído com base na votação dos seus deputados com o objetivo de promover e celebrar a diversidade e relevância social do cinema dentro da UE. Até ao final do ano, todos os filmes finalistas vão ser exibidos nos 28 países da União Europeia.

Em 2017, o Prémio Lux foi atribuído a “Sámi Blood”, da realizadora sueca Amanda Kernell.