O Queer Lisboa 22 – Festival Internacional de Cinema Queer vai exibir amanhã, sexta-feira, dia 21, às 19h15, na sala 3 do Cinema São Jorge, o filme “A Moça do Calendário” com a presença da atriz e realizadora Helena Ignez, e da protagonista Djin Sganzerla. O filme conta a história de Inácio, antigo varredor de rua, que trabalha como bailarino e mecânico, nesta que é uma fragmentada crítica social ao Brasil dos dias de hoje.

De regresso ao festival estão os realizadores Filipe Matzembacher e Marcio Reolon com “Tinta Bruta, um filme sobre o choque entre realidade virtual e vida real, que encerra a Competição para a Melhor Longa-Metragem, também com exibição amanhã às 22h, na sala Manoel de Oliveira.

Ainda durante o dia de amanhã, no Cinema São Jorge e na Cinemateca Portuguesa, será possível ver “Zero Patience“, de John Greyson, às 17h15, na sala Manoel de Oliveira e “La Pudeur ou l’impudeur“, de Hervé Guibert, às 21h30, na sala M. Félix Ribeiro. A Cinemateca Portuguesa exibirá ainda, no sábado, dia 22, às 21h30, na mesma sala, a longa-metragem “Les Nuits Fauves, de Cyril Collard, o filme que lançou um aceso debate em torno do VIH/sida em França na altura do seu lançamento, 1992.

Quanto à secção Panorama, esta vai passar “L’Amour Debout, de Michaël Dacheux, no sábado, dia 22, às 17h15, na sala Manoel de Oliveira

Às 21h de sábado, dia 22, na sala Manoel de Oliveira, terá lugar a Noite de Encerramento do Queer Lisboa 22, onde serão anunciados os prémios das diversas categorias competitivas, assim como o Prémio do Público. À mesma hora será exibido o filme de encerramento do festival, “Bixa Travesty“, realizado por Claudia Priscilla e Kiko Goifman.