Queer Porto 2021: Vencedores

Deus tem AIDS”, de Fábio Leal e Gustavo Vinagre, venceu o prémio de Melhor Filme na 7.ª edição do Queer Porto – Festival Internacional de Cinema Queer, que terminou no passado sábado.

“Deus Tem AIDS é falar no agora de um tema com quarenta anos, que nos desafia a uma renovada leitura do que é a vida de alguém portador da doença. Através da soberba e inclusiva escolha de protagonistas, e das suas práticas artísticas, este é um filme de empoderamento e consciencialização para uma realidade ignorada, quando não estigmatizada. Um filme que nos fala da vida e não de vítimas”, justificou o júri da competição oficial. O documentário brasileiro venceu ainda o prémio do público.

O júri da sétima edição do Queer Porto atribuiu uma menção honrosa ao filme “Genderation”, de Monika Treut, “uma representação rara e muito necessária de pessoas trans mais velhas. Um projeto vital para a nossa comunidade, para documentar essas histórias de esperança; tão relevante e poderoso hoje quanto a genderation era há vinte anos atrás”.

Na competição In My Shorts de Curtas-metragens de Escola Portuguesas venceu “Mansa”, de Mariana Bártolo. “Um filme que cativa pela sua genuinidade, pela complexidade na composição das personagens e direção de atores, retratando uma realidade com múltiplos sentidos de leitura. Uma obra que nos deixa com vontade de ver mais trabalho de Mariana Bártolo”.

o-teu-nome-e-1
“O Teu Nome É”, de Paulo Patrício

Já na competição do prémio Casa Comum, atribuído pela primeira vez no festival, o vencedor foi a curta de animação “O Teu Nome É”, de Paulo Patrício, um olhar sobre o caso do assassinato de Gisberta Salce Jr., transexual, seropositiva, toxicodependente e sem-abrigo que foi violentamente torturada durante vários dias por um grupo de 14 adolescentes no Porto, em 2006.

“Por apresentar uma forte crítica social em relação à violência contra os corpos trans, migrantes, doentes, pobres, tornados precários, e invisibilizados; por fazer esta crítica a partir de uma história local, mas que é também universal; por trazer um novo olhar sobre a história de Gisberta, aliando o registo documental a uma linguagem estética original; e por manter viva a única voz ausente do filme no espaço da cidade”, justificou o júri.

A próxima edição do Queer Porto irá decorrer em outubro de 2022 no renovado Cinema Batalha.

Competição Oficial
Melhor Filme
Deus tem AIDS, de Fábio Leal & Gustavo Vinagre

Menção Especial
Genderation, de Monika Treut

Prémio do Público
Deus tem AIDS, de Fábio Leal & Gustavo Vinagre

Competição In My Shorts de Curtas-metragens de Escola Portuguesas
Melhor Filme
Mansa, de Mariana Bártolo

Prémio Casa Comum
Melhor Filme
O Teu Nome É, de Paulo Patrício

Menção Especial
Tracing Utopia, de Catarina de Sousa & Nick Tyson

Skip to content