San Sebastián 2021: Vencedores

Last updated:

A produção romena “Crai nou / Blue Moon, realizada por Alina Grigore, levou a Concha de Ouro na 69ª edição do Festival de Cinema de San Sebastián, cujo júri oficial concedeu ao cineasta Tea Lindeburg a Concha de Prata de Melhor Realização por “Du som er i himlen / As in Heaven”. A actriz do filme, Flora Ofelia Hofmann Lindahl, e Jessica Chastain (“Os Olhos de Tammy Faye”) receberam, ex-aequo, a Concha de Prata de Melhor Actuação Principal,  enquanto a Melhor Atuação Coadjuvante vai para o elenco de “Quién lo impide / Who’s Stopping Us”. Terence Davies ganha Prémio do Júri de Melhor Roteiro por “Benediction” e Claire Mathon, Prémio de Melhor Cinematografia pelo seu trabalho em “Enquête sur un scandaled’état / Undercover”. O júri também decidiu dar um Prémio Especial a “Earwig”, de Lucile Hadzihalilovic.

Pelo terceiro ano consecutivo, o filme vencedor da Concha de Ouro foi para uma estreia: em 2019 o vencedor foi “Pacificado / Pacificado”, de Paxton Winters, e em 2020, “Dasatskisi / Beginning” , de Dea Kulumbegashvili. Este que presidiu o júri oficial deste ano, decidindo dar o maior elogio do Festival aCrai nou / Blue Moon”, filme de estreia da realizadora romena Alina Grigore. É a primeira vez que uma produção romena ganha a Concha de Ouro na história do Festival.

A Concha de Prata de Melhor Realização também foi para outro estreante, o realizador dinamarquês Tea Lindeburg, por “Du som er i himlen / As in Heaven”. É também a primeira vez que um cineasta dinamarquês obtém esta distinção.

A Concha de Prata de Melhor Actuação Principal foi para a norte-americana Jessica Chastain, pelo seu papel em “The Eyes of Tammy Faye”, e para a jovem actriz dinamarquesa Flora Ofelia Hofmann Lindahl, por “Du som er i himlen / As in Heaven”. Por sua vez, a nova Concha de Prata de Melhor Actuação Coadjuvante foi para o elenco de “Quién lo impide / Quem nos está parando” (Candela Recio, Pablo Hoyos, Silvio Aguilar, Pablo Gavira, Claudia Navarro, Marta Casado, Rony-Michelle Pinzaru, Javier Sánchez e muitos outros), realizado por Jonás Trueba.

Terence Davies conquistou o seu primeiro prémio oficial do Festival na sua terceira participação. Davies, a quem o Festival dedicou uma retrospectiva em 2008, havia anteriormente apresentado “The Deep Blue Sea” (2011) e “Sunset Song” (2015) na Seleção Oficial. “Benediction”, um filme sobre o soldado e poeta anti-guerra e sobrevivente da Primeira Guerra Mundial Siegfried Sassoon, recebeu o prémio como reconhecimento do seu trabalho como argumentista.

Claire Mathon conquistou o Prémio do Júri de Melhor Fotografia pelo seu trabalho em “Enquête sur un scandale d’état / Undercover” de Thierry de Peretti. Mathon fez a direcção de fotografia de outros filmes da 69ª edição do festival, como “Petite Maman”, de Céline Sciamma (Perlak), e “Spencer”, o filme surpresa deste ano, realizado por Pablo Larraín.

Lucile Hadzihalilovic já conta com algumas participações em San Sebastián no que diz respeito à premiação. Recebeu o Prémio Novos Realizadores pela sua longa de estreia, “Inocência” (2004), enquanto o segundo filme, “Evolução” (2015), ganhou o Prémio Especial do Júri na Seleção Oficial. A mesma distinção foi agora para o seu terceiro filme, “Earwig”, “pela sua ambição e capacidade de capturar o subconsciente”. Foi a primeira vez que duas obras do mesmo cineasta ganharam o Prémio Especial do Júri.

Skip to content