A edição deste ano do Festival de Sundance contou com uma mão-cheia do melhor que se fez na produção independente no ano passado: “Manchester by the Sea”, de Kenneth Lonergan, “Capitão Fantástico”, de Matt Ross, e “Christine”, de António Campos, são alguns dos melhores filmes a saírem do festival. “O Nascimento de Uma Nação”, de Nate Parker, é, no entanto, o que mais promete na corrida aos Óscares.

O filme conta a história de Nat Turner, responsável por liderar a revolução dos escravos durante a guerra civil americana em 1831. Após a sua estreia em Sundance, algumas das maiores distribuidoras internacionais, como a Netflix, a Paramount, a The Weinstein Company e a Fox Searchlight competiram para adquirir os direitos do filme.

No final, o filme acabou por ser comprado por 17,5 milhões de dólares pela Fox Searchlight.

Não é habitual esta caça aos direitos de filmes independentes, pelo menos não como acontece com o filme de Nate Parker. Depois do sucesso do filme em Sundance, e motivado pela polémica que se vive em torno dos Óscares, “O Nascimento de Uma Nação” será certamente um dos filmes para a academia ter em conta.

O filme ainda não tem data de estreia em Portugal.