“Mapplethorpe” é realizado pela cineasta Ondi Timoner e retrata Robert Mapplethorpe, um dos mais importantes fotógrafos do século XX. O artista era conhecido por expor fotografias eróticas e fetichistas, desafiando assim várias convenções sexuais. Nos papéis principais estão Matt Smith como Mapplethorpe e Marianne Rendón como Smith.

Recentemente, a exposição do Museu de Serralves sobre o fotógrafo norte-americano tornou-se polémica devido à guerra mediática entre João Ribas, antigo diretor artístico do Museu de Serralves, e a administração da fundação, a qual foi responsável pela demissão de Ribas, tendo este acusado a administração de interferência.

Esta semana foi divulgado o primeiro trailer do filme (ver no fim do artigo) e Patti Smith, em entrevista à revista Entertainment Weekly, falou de Mapplethorpe:

“Como qualquer artista, ele foi difamado na sua época. Mas isso é porque ele estava a empurrar os limites (…) e, muitas vezes, o propósito da arte é fazer isso. O que faz do trabalho de Michelangelo tão único? Ele era totalmente fiel a si mesmo e ao momento. Ele teve a coragem e convicção, trabalhou muito e nunca desistiu”, disse Patti Smith.

“Mapplethorpe” retrata a vida de Robert Mapplethorpe momentos antes dele e Patti Smith se mudarem para o famoso Hotel Chelsea. Lá, o artista começou a fotografar os seus vizinhos de quarto e o seu novo círculo de amigos, incluindo artistas e músicos, famosos e estrelas de cinema dos anos 80.

Explorando a intersecção da sua arte, sexualidade e a sua luta pelo reconhecimento, o filme faz um retrato cheio de nuances de um artista no auge do seu ofício e dos seus impulsos autodestrutivos.

O filme biográfico estreará nas salas de cinema norte-americanas em março do próximo ano, assinalando os 20 anos da morte de Mapplethorpe. Para já, ainda não há data de estreia para as salas de cinema portuguesas.

Este artigo foi originalmente publicado na Comunidade Cultura e Arte, tendo sido aqui reproduzido com a devida autorização.