O maior festival de cinema online do mundo chega a Portugal através da plataforma VoD FILMIN. A 3.ª edição do Atlàntida Film Fest, que nasceu à 9 anos em Espanha, decorre na FILMIN de 1 de novembro a 1 de dezembro de 2019.

“Atlàntida quer dar a conhecer ao público uma seleção de filmes Europeus que nunca foram mostrados nas salas ou festivais portugueses, dando não só visibilidade aos filmes em programa como prestígio à janela da internet.”

“A realidade, os problemas, os desafios do Velho Continente e dos seus habitantes articulam a seleção dos 11 títulos, 10 dos quais inéditos em Portugal, com o objetivo de abrir as portas à reflexão a partir da ficção e do documentário.”

Os filmes são provenientes de países como França, Inglaterra, Rússia, Finlândia, Suíça, Alemanha e Bélgica. Entre eles, o último filme de Eva Ionesco com Isabelle Huppert, “Golden Youth”, ou “With the Wind” de Bettina Oberli vencedora do prémio Piazza Grande do Festival de Locarno com o ator português Nuno Lopes assim como a primeira obra de Marc Collins, “The Sound of Future”, fundador dos Nouvelle Vague sobre o papel das mulheres no nascimento da música electrónica na Paris de finais dos anos 70, protagonizada por Alma Jodorowski, também “Acid” a obra prima do ator russo Aleksandr Gorchilin que nos da um retrato niilista, violento e feroz da juventude russa contemporânea.

A partir de dia 1 de novembro os filmes vão estar disponíveis em filmin.pt para todos os subscritores ou por um custo de 15€ para os não subscritores.

Programa
Golden Youth, de Eva Ionesco, França, Bélgica, 2019, 112’
With the Wind, de Bettina Oberli, Suiça, França, 2018, 88’
The Sound of Future, de Marc Collin, França 2019, 84’
Acid, de Aleksandr Gorchilin, Rusia, 2019, 97’
Easy Love, de Tamer Jandali, Alemanha, 2019, 89’
Celeste, de Ben Hackworth, Austrália, Reino Unido, 2019, 104’
Midnight Runner, de Hannes Baumgartner, Suiça, 2018, 94’
Those Who Work, de Antoine Russbach, Suiça, Bélgica, França, 2018, 102’
One Last Deal, de Klaus Härö, Finlandia, 2018, 95’
Our Struggles, de Guillaume Senez, Bélgica, França, 2018, 98’
Aurora, de Miia Tervo, Finlândia, 2019, 106’