A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood premiou “A Forma da Água”, de Guillermo del Toro, como o Melhor Filme do Ano da 90ª edição dos Óscares. Com 13 nomeações, venceu 4 categorias que incluem ainda a de Melhor Realizador (sem surpresa), Melhor Design de Produção e Melhor Banda Sonora Original (compositor francês Alexandre Desplat recebeu o segundo Óscar da sua carreira).

O segundo mais premiado foi o épico de Christopher Nolan, “Dunkirk”, que vence em três categorias (Melhor Montagem, Melhor Mistura de Som e Melhor Edição de Som). Seguem-se, todos com duas nomeações cada um: “A Hora Mais Negra”, “Três Cartazes à Beira da Estrada”, “Coco” e “Blade Runner 2049”.

“Chama-me Pelo Teu Nome”, “Linha Fantasma”, “I, Tonya” e “Get Out” venceram, cada um, apenas uma categoria.

Nas categorias de Melhor Atriz e de Melhor Ator não houve qualquer surpresa. Frances McDormand conquistou o seu segundo Óscar de Melhor Atriz, por “Três Cartazes à Beira da Estrada”, vinte e dois anos depois de “Fargo” (1996). Gary Oldman foi finalmente reconhecido pela Academia na categoria de Melhor Ator, por “A Hora Mais Negra”Sam Rockwell venceu (à primeira nomeação para os Óscares) o prémio de Melhor Ator Secundário por “Três Cartazes à Beira da Estrada”Allison Janney venceu o Óscar de Melhor Atriz Secundária em “I, Tonya”.

Nas categorias de argumento também não houve surpresas, tendo “Get Out” conquistado o prémio de Melhor Argumento Original (Jordan Peele) e “Chama-me Pelo Teu Nome” o de Melhor Argumento Adaptado (James Ivory).

“Coco” venceu o Óscar de Melhor Filme de Animação. Na categoria de Melhor Documentário o vencedor foi “Icarus”, Bryan Fogel e Dan Cogan (produzido pela Netflix), que fala sobre os escândalos de doping na Rússia. Foi uma das principais surpresas da noite, tendo em conta que “Olhares, Lugares”, de Agnès Varda e JR, era o grande favorito nesta categoria.

Jimmy Kimmel, anfitrião pelo segundo ano consecutivo, abriu a cerimónia com um curto monólogo, tendo sido direto em todos os assuntos que eram esperados ser discutidos: a polémica do envelope errado nos Óscares de 2017, a expulsão de Weinstein pela Academia, o assédio sexual em Hollywood e brincou com as desigualdades raciais e de género. O movimento Time’s Up, contra o assédio sexual, marcou oficialmente a 90ª edição dos Óscares, tendo sido um dos momentos altos desta cerimónia. Um dos momentos mais divertidos da noite foi a partida de Jimmy Kimmel, ao levar várias estrelas (algumas nomeadas) a surpreenderem os espectadores de uma sala de cinema ao lado, a pretexto de agradecer às pessoas que vão ver filmes. As estrelas ainda distribuíram comida pelos espectadores. Eddie Veder cantou “Room at the Top”, num dos momentos mais emocionantes da cerimónia dos Óscares, o tributo aos que partiram em 2017, no segmento “In Memoriam”. Esta edição dos Óscares gritou por várias mudanças, mas com estes vencedores a Academia revelou-se tímida nessa mudança.

Melhor Filme
The Shape of Water
Melhor Realizador
Guillermo del Toro, por The Shape of Water
Melhor Ator
Gary Oldman, em Darkest Hour
Melhor Atriz
Frances McDormand, em Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
Melhor Ator Secundário
Sam Rockwell, em Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
Melhor Atriz Secundária
Allison Janney, em I, Tonya
Melhor Argumento Original
Get Out
Melhor Argumento Adaptado
Call Me by Your Name
Melhor Filme de Animação
Coco
Melhor Filme Estrangeiro
A Fantastic Woman (Chile)
Melhor Documentário
Icarus
Melhor Design de Produção
The Shape of Water
Melhor Fotografia
Blade Runner 2049
Melhor Guarda-Roupa
Phantom Thread
Melhor Montagem
Dunkirk
Melhor Maquilhagem e Cabelo
Darkest Hour
Melhor Banda Sonora Original
The Shape of Water,
 por Alexandre Desplat
Melhor Canção Original
Remember Me (Coco)
Melhor Edição de Som
Dunkirk
Melhor Mistura de Som
Dunkirk
Melhores Efeitos Visuais
Blade Runner 2049
Melhor Curta de Animação
Dear Basketball
Melhor Curta Live-Action
The Silent Child
Melhor Curta Documental
Heaven Is a Traffic Jam on the 405