FICLO-festival-cinema-literatura-olhao-2020

Arranca hoje a 2.ª edição do Festival Internacional de Cinema e Literatura de Olhão

Arranca esta quarta-feira a 2.ª edição do FICLO – Festival Internacional de Cinema e Literatura de Olhão, com seis estreias nacionais, cinema ao ar livre, um ciclo de clássicos do cinema italiano, uma retrospetiva sobre a obra do cineasta espanhol Albert Serra, e muito mais atividades até ao dia 21 de julho.

“O Algarve serve de casa para o primeiro festival de cinema a voltar às salas depois do período de confinamento imposto pela pandemia.” Ao todo são 36 filmes a serem exibidos no Auditório Municipal de Olhão, Algarcine e República 14.

O festival que liga a literatura à sétima arte abre hoje às 15h com o clássico “Paisà – Libertação” (1946), de Roberto Rossellini, do ciclo de cinema italiano. Seguem-se ainda hoje “Honra de Cavalaria”, de Albert Serra (às 18h), e a estreia nacional “Adoration”, de Fabrice du Welz, em competição internacional.

Destaque especial para a competição internacional que integra, este ano, nove obras de produção recente propondo diferentes narrativas em torno da ideia da viagem, enquanto espaço de descoberta do eu. Partida com os infinitos espelhos refletidos na personalidade dividida de Sofia Garay em “The Good Girls”, de Alejandra Márques Abella, passagem por “Fortress”, de Ludovica Andò e Emiliano Aiello, uma adaptação para o grande ecrã de Deserto dos Tártaros de Dino Buzzati. Paragens ainda em “There Was a Little Ship”, de Marion Hänsel, “Out Stealing Horses”, de Hans Petter Moland, nos contos de fadas de “Adoration”, de Fabrice du Welz, e em “Valley of Souls”, de Nicolás Rincón Gille, filmes em estreia nos cinemas nacionais. Espaço ainda para revisitar “Campo”, de Tiago Hespanha, ele que estará em Olhão também a realizar uma residência de escrita de argumento, que culminará com uma leitura encenada por Rogério de Carvalho, e “A Longa Noite”, do galego Eloy Enciso, e “I Do Not Care if We Go Down in History as Barbarians”, de Radu Jude.

O ciclo de cinema italiano propõe também um olhar ao cinema italiano com as obras de Rossellini, Antonioni, Visconti e Pasolini, e ainda uma retrospetiva dedicada à obra do cineasta espanhol Albert Serra.

“Fora da tela, o FICLO vai ainda instalar uma livraria no Mercado das Frutas e Legumes de Olhão, que reafirma o lugar da literatura como produto de primeira necessidade. Para além dos livros de teoria do cinema, esta livraria conta com títulos de literatura e ensaio, muitos dos quais se inspiram ou baseiam nos filmes que compõem a programação do Festival. O programa do evento propõe ainda passeios fílmicos em parceria com a Love Tuk Olhão, assim como caminhadas performativos desenvolvidas pelos artistas Isadora Alves e Bruno Humberto. A completar o calendário de atividades paralelas serão ainda organizadas conversas com realizadores e masterclasses.”

Competição Internacional
Adoration, de Fabrice du Welz
A Longa Noite, de Eloy Enciso
Fortress, de Ludovica Andò, Emiliano Aiello
I Do Not Care if We Go Down in History as Barbarians, de Radu Jude
The Good Girls, de Alejandra Márques Abella
There Was a Little Ship, de Marion Hänsel
Out Stealing Horses, de Hans Petter Moland
Valley of Souls, de Nicolás Rincón Gille
Campo, de Tiago Hespanha

Ciclo de Cinema Italiano
Paisà, de Roberto Rossellini
O Leopardo, de Luchino Visconti
Il Decameron, Trilogia Della Vita, de Pier Paolo Pasolini
Profissão: Repórter, de Michelangelo Antonioni
A Aventura, de Michelangelo Antonioni
Viagem a Itália, de Roberto Rossellini
I Racconti di Canterbury, Trilogia Della Vita, de Pier Paolo Pasolini
La Caduta Degli Dei, de Luchino Visconti
Morte em Veneza, de Luchino Visconti
Il Fiore Delle Mille e una Notte, Trilogia Della Vita, de Pier Paolo Pasolini

Retrospetiva Albert Serra
Honra de Cavalaria
História da Minha Morte
A Morte de Luis XIV
The Lord Worked Wonders in me
O Canto dos Pássaros
Roi Soleil
The Names of Christ
Liberté

Fonte: FICLO