A Netflix anunciou que os filmes de cineastas como François Truffaut, Charlie Chaplin, Jacques Demy, Alain Resnais, Krzysztof Kieślowski, David Lynch, Emir Kusturica, Michael Haneke, Xavier Dolan, Steve McQueen e muitos outros autores vão estar disponíveis no catálogo da maior plataforma de streaming do mercado.

Esta grande aquisição de filmes surge num acordo feito com a distribuidora francesa MK2 Films, que detém os direitos de exibição e distribuição destes autores. O contrato, no entanto, não é exclusivo e alguns filmes ainda estão disponíveis noutras plataformas, como o Amazon Prime Video, MUBI e FILMIN. No entanto, a parceria que irá lançar cerca de 50 filmes ao longo do ano, marca a primeira vez que coleções extensas de filmes de alguns realizadores serão oferecidas juntas numa plataforma de streaming.

“Com esta parceria, as obras-primas do cinema serão redescobertas por espectadores experientes e pelo público em geral, especialmente a jovem geração ansiosa por visitar estes filmes essenciais do património mundial do cinema”, disse o CEO da MK2, Nathanaël Karmitz.

O acordo deve trazer cerca de 50 filmes do catálogo da MK2 Films para a Netflix ao longo deste ano, sendo que a partir de 24 de abril será o lançamento de doze clássicos de Truffaut, como “Os 400 Golpes” (1959), “Disparem Sobre o Pianista” (1960) e “Beijos Roubados” (1968). No entanto, este acordo só estará disponível em territórios de língua francesa, pelo que não se sabe quando chegará à Netflix Portugal.

A distribuidora tem um catálogo de mais de 800 filmes em HD e 2K, que inclui alguns dos grandes nomes da história do cinema: Charlie Chaplin, François Truffaut, Michael Haneke, Abbas Kiarostami, Krzysztof Kieślowski, David Lynch, Buster Keaton, Claude Chabrol ou Stan Laurel.

“Estamos muito satisfeitos que a Netflix esteja a reforçar a sua posição no cinema de autor e nos principais cineastas internacionais com este acordo. O papel da MK2, através do seu catálogo de mais de 800 filmes que representam parte da história mundial do cinema, é contribuir para a transmissão dessa herança universal do cinema e tornar estes filmes acessíveis ao maior número de pessoas possível, incluindo aos mais jovens. Este acordo de exibição é uma boa notícia para todos os franceses que adoram o cinema e a sua história”, disse Nathanaël Karmitz.

É a primeira vez que a Netflix aposta em peso no cinema de autor e em clássicos do cinema, tentando agora ocupar um espaço que sempre foi de plataformas como The Criterion Channel,  MUBI e outras plataformas de streaming.