Está prestes a chegar a 27.ª edição do Curtas Vila do Conde – Festival Internacional de Cinema, com uma selecção de mais de 250 filmes de produção recente que “pretendem ser um espaço de descoberta, reencontro e divulgação para novos e consagrados autores.”.

Para a sessão de abertura do 27.º Curtas, foi escolhido o clássico filme expressionista alemão “O Gabinete do Dr. Caligari” (1920), de Robert Wiene, que está prestes a celebrar o seu centenário, e que será musicado ao vivo pela violoncelista Marta Navarro e pelo compositor e artista sonoro Tiago Cutileiro. Uma encomenda do Curtas à dupla, que pretende construir um ambiente sonoro para a história muda de um hipnotizador que manipula o seu paciente para este cometer homicídios durante crises de sonambulismo. Este será o primeiro dos filmes-concerto da secção Stereo, que terá mais sete momentos musicais como por exemplo: “Witch Cradle” (1943), de Maya Deren, musicado por Thurston Moore e “Heaven & Earth Magic” (1966), de Harry Everett Smith, musicado pelos The Heliocentrics; e um filme-concerto com os Montanhas Azuis.

Paralelamente decorrerá a exposição coletiva de arte cinemática “O Caso Caligari”, na galeria Solar, com obras originais de Daniel Blaufuks, Eduardo Brito, Rainer Kohlberger e Jonathan Uliel Saldanha. “Cada artista convidado apresentará uma obra numa sala, obra que tem por fonte, inspiração, ressonância ou referência o filme ‘O Gabinete do Dr. Caligari’, aí incluindo toda a sua pré e pós-história, da produção à crítica, das biografias dos seus criadores à materialidade do seu suporte: todo o caso Caligari, portanto.”

Ainda no mesmo dia, 6 de julho, pelas 15h, a secção Curtinhas abre com a exibição de “Toy Story 4” (em 3D), apresentado por Wandson Lisboa.

A secção maior do festival, a Competição Nacional do Curtas, “resume a singularidade de uma nova geração de realizadores portugueses”. Com dezasseis filmes em competição destacam-se nomes como: Pedro Neves, com “A Fábrica”; Paulo Furtado, com “Amor Quântico”; Gabriel Abrantes, com “Les Extraordinaires Mésaventures De La Jeune Fille De Pierre”; Diogo Costa Amarante, com “O Verde do Jardim”; Mariana Gaivão, com “Ruby”; Diogo Baldaia, com “Destiny Deluxe”; e Miguel Afonso, com “Cenas de Uma Vida Amorosa”.

A secção Da Curta à Longa, “um espaço para longas-metragens onde o Curtas celebra o seu passado, mantendo-se particularmente atento ao percurso dos cineastas que já passaram pelo festival (em competição ou com retrospetivas)”, apresenta em estreia nacional “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho, “Luz Vermelha (Episódios 1 e 2)”, de Marco Leão e André Santos, e “Knives and Skin”, de Jennifer Reeder.

Thurston Moore

A secção In Focus dedica duas retrospetivas: uma Todd Solondz e outra a Carlos Conceição. O cineasta norte-americano Todd Solondz marca presença no Curtas com a exibição de cinco filmes seus: “Uma Vida de Cão” (2016), “Diários de um Falhado” (2011), “Storytelling” (2001), “Welcome to the Dollhouse” (1995) e “Felicidade” (1998). Haverá ainda uma conversa com Todd Solondz, moderada por Daniel Ribas (no dia 10 de julho). “Nos filmes de Solondz, é precisamente a aparência fabricada pela televisão que é desconstruída, mesmo usando muitos dos seus mecanismos, em especial a banda sonora, a mise-en-scène (o subúrbio de classe média; a casa de família; o centro comercial) e a concentração narrativa na família.”.

O jovem cineasta luso-angolano Carlos Conceição é uma “presença regular no Curtas, visto como parte da família”, que se distingue pelo seu estilo minimalista, mas também proporcionalmente cuidado com todos os pormenores, da decoração aos figurinos, mise-en-scène e fotografia, banda sonora e montagem.”. Serão exibidos os filmes “Serpentário” (2019 – longa-metragem que estreou no Festival de Berlim e que tem a sua estreia nacional no Curtas), “O Inferno” (2011), “Versailles” (2013) e “Coelho Mau” (2017).

Na secção Panoramas vai ser possível ver, em Vila do Conde, as obras mais recentes de Susana de Sousa Dias (“Fordlândia Malaise”, estreado na Berlinale), Jorge Jácome (“Past Perfect”, estreado na Berlinale e premiado no IndieLisboa e no Festival de Curtas Metragens de Hamburgo), Catarina Mourão (“O mar Enrola na Areia”, selecionado para o Visions du Réel, “É tudo verdade” e “Oberhausen”), Sílvia das Fadas (“A Casa, a Verdadeira e a Seguinte”, “Ainda Está por Fazer”, premiado no IndieLisboa) e Helena Estrela (“Bela Mandil”, selecionado para a Viennale).

“Romance de Vila do Conde”, de Manoel de Oliveira (2008)

Uma das novidades do Curtas este ano é a nova secção de Cinema Revisitado, que propõe um olhar retrospetivo para a história do cinema como forma de resgate da memória e da cinefilia, o Curtas não quer deixar esquecer momentos e obras fundamentais que, por diversos motivos, têm sido inexplicavelmente esquecidas ou ignoradas.”. Serão exibidos filmes como: “Rambo: A Fúria do Herói” (1982), de TedKotcheff; “The Movie Orgy – Ultimate Version” (1968), de Joe Dante; oito primeiras curtas em Technicolor de Walt Disney, realizadas entre 1932 e 1939; uma sessão evocativa à memória do escritor José Régio, no ano em que se assinala o 50.º aniversário da sua morte, com a exibição das curtas de Manoel de Oliveira ligadas ao escritor e da “fantasia” de Manuel Mozos sobre uma carta na qual o poeta manifestava a vontade de fundar uma produtora para começar a fazer cinema.

De 6 a 14 de julho, o 27.º Curtas terá ainda festas, debates, masterclasses, workshops e uma secção infanto-juvenil com cinema e oficinas pensadas para crianças, jovens e famílias.

Selecção Competição Nacional
18, Rui Esperança, Portugal, 2019, DOC, 25′
A Fábrica, Pedro Neves, Portugal, 2019, DOC, 29′
Amor Quântico, Paulo Furtado, Portugal, 2019, FIC, 11′
Ave Rara, Vasco Saltão, Portugal, 2019, FIC, 34′
Cenas de Uma Vida Amorosa, Miguel Afonso, Portugal, 2019, FIC, 13′
Colmeal, Márcio Laranjeira & Sérgio Brás d’Almeida, Portugal, 2019, FIC, 15′
Destiny Deluxe, Diogo Baldaia, Portugal, 2019, FIC, 30′
Dia de Festa, Sofia Bost, Portugal, 2019, FIC, 17′
Les Extraordinaires Mésaventures De La Jeune Fille De Pierre, Gabriel Abrantes, Portugal, 2019, FIC, 20′
Lisboa, 2018, Francisco Valente, Portugal, 2019, FIC, 20′
Não Procures Mais Além, André Marques, Portugal, France, Haiti, 2019, FIC, 25′
O Verde do Jardim, Diogo Costa Amarante, Portugal, 2019, FIC, 27′
Purpleboy, Alex Siqueira, Portugal, França, 2019, ANI, 14′
Red Hill, Laura Carreira, Reino Unido, 2018, FIC, 13′
Ruby, Mariana Gaivão, Portugal, 2019, FIC, 25′
Sol Negro, Maureen Fazendeiro, Portugal, 2019, EXP, 6′

Selecção Panorama Português
A Casa, a Verdadeira e a Seguinte, Ainda Está por Fazer, Sílvia das Fadas, Portugal/EUA/Áustria, 2018, DOC/EXP, 35′
Bela Mandil, Helena Estrela, Portugal, 2018, FIC, 18′
Fordlândia Malaise, Susana de Sousa Dias, Portugal, 2019, DOC, 40′
O Mar Enrola na Areia, Catarina Mourão, Portugal, 2019, DOC/FIC, 16′
Past Perfect, Jorge Jácome, Portugal, 2019, DOC/FIC/EXP, 23′

Selecção Take One!
A Morte De Léaud, Ricardo Pinto de Magalhães, Portugal, 2019, DOC, 6′
Auspício, Vasco Trabulo Bauerle, Portugal, FIC, 10′
Berço, Inês Luís, Portugal, 2019, FIC, 22′
Corporealitis, Beatriz Bagulho, Reino Unido/Portugal, 2018, ANI, 4′
Direito à Memória, Rúben Sevivas, Portugal, 2019, DOC, 9′
Em Caso de Fogo, Tomás Paula Marques, Portugal, 2019, FIC, 23′
Em Junho, Henrique Brazão, Portugal, 2019 , FIC, 16′
Estas Mãos São Minhas, André Miguel Ferreira, Portugal, 2019, DOC, 9′
Há Alguém na Terra, Francisca Magalhães, Joana Tato Borges & Maria Canela, Portugal, 2019, FIC, 17′
Inside Me, Maria Trigo Teixeira, Alemanha, 2019, ANI/DOC, 5′
Irene, João Martinho, Portugal, 2018, FIC, 15′
José, João Monteiro, Portugal, 2019, FIC, 14′
Notes on Living, Inês Pedrosa e Melo, USA, 2018, DOC, 5′
Os Monstros só Saem à Noite, João Pedro Ferreira, Portugal, FIC, 14′
The Hood, Patricia Vidal Delgado, EUA/Portugal, 2018, FIC, 10′
Verniz Glaze, Clara Jost, Portugal, 2018, FIC, 14′

Ver programa completo aqui.