Locarno-2021-1

Locarno 2021: Três filmes representam Portugal

Já se conhece o programa completo que compõe a 74.ª edição do Festival de Cinema de Locarno, que irá decorrer na Suíça de 4 a 14 de agosto. Tal como tem sido recorrente, o cinema português marca presença no festival suíço, desta vez com a nova curta-metragem de Salomé Lamas, a nova longa-metragem de Joaquim Pinto e Nuno Leonel e o documentário de Samuel Barbosa.

Hotel-Royal-Salome-Lamas-2021

O único filme em competição é a curta de Salomé Lamas, “Hotel Royal”, incluída na secção Pardi di domani: Concorso Corti d’autore, destinada a cineastas consagrados, que estrearam previamente longas metragens. Produzido pela O Som e a Fúria e Curtas Metragens C.R.L., “Hotel Royal” conta com a participação dos atores Ana Moreira, Carloto Cotta e Tomás Antunes. Salomé Lamas estreia-se, assim, em Locarno com este filme que acompanha uma criada de quarto num hotel à beira-mar.

Pathos-Ethos-Logos-Locarno-2021

A nova longa-metragem de Joaquim Pinto e Nuno Leonel, “Pathos Ethos Logos”, será apresentada fora de concurso. Com um total de 641 minutos, esta é uma ficção sobre três histórias, três mulheres, em três tempos diferentes (2017, 2028 e 2037), protagonizado por Ângela Cerveira, Rafaela Jacinto, Fabiana Silva, Mariana Monteiro e Telmo Matias. “Três mulheres de diferentes gerações e origens, cujos caminhos se cruzam, nas suas tentativas de existir plenamente. Fragmentos de histórias que recuperam experiências e eventos da vida real para o núcleo de cada personagem”.

O terceiro filme português na selecção oficial de Locarno é “Távola de Rocha”, um documentário de Samuel Barbosa, sobre o cineasta Paulo Rocha, o autor de “Os Verdes Anos” (1963) e “Mudar de Vida” (1966). “O filme documentário propõe um reencontro espácio – temporal de todo o trabalho de fundo que existe nos filmes de Paulo Rocha. É uma pesquisa a partir das pessoas, personagens, lugares, décors, artes e artistas que, em forma de testemunho, propõem uma reflexão sobre a interacção de Paulo Rocha com eles.”, lê-se no site da produtora Bando à Parte.

Há ainda outra presença portuguesa no festival, a da atriz Leonor Silveira, que irá integrar o júri da competição internacional, presidido pela realizadora americana Eliza Hittman.

O filme de abertura da 74.ª edição de Locarno será “Beckett”, do italiano Ferdinando Cito Filomarino, produzido por Luca Guadagnino para a Netflix, e estarão a concurso 17 filmes pelo Leopardo de Ouro, na secção competitiva internacional.

Competição Internacional
After Blue (Paradis sale), de Bertrand Mandico
Al Naher, de Ghassan Salhab
Espíritu sagrado, de Chema García ibarra
Gerda, de Natalya Kudryashova
I Giganti, de Bonifacio Angius
Jiao ma tang hui (A New Old Play), de QIU Jiongjiong
Juju Stories, de C. J. Obasi, Abba Makama e Michael Omonua
La Place d’une autre, de Aurélia Georges
Leynilögga (Cop Secret), de Hannes Þór Halldórsson
Luzifer, de Peter Brunner
Medea, de Alexander Zeldovich
Nebesa (Heavens Above), de Srdjan Dragojević
Petite Solange, de Axelle Ropert
Vengeance Is Mine, All Others Pay Cash, de Edwin
Sis dies corrents (The Odd-Job Men), de Neus Ballús
Soul of a Beast, de Lorenz Merz
Zeros and Ones, de Abel Ferrara

Pardi di domani: Concorso Corti d’autore
Hotel Royal, de Solomé Lamas

Fuori concorso – fora de concurso
Pathos Ethos Logos, de Joaquim Pinto, Nuno Leonel

Histoire(s) du cinéma
Távola de Rocha, de Samuel Barbosa

Skip to content