7   +   3   =  

Morreu hoje, aos 77 anos de idade, o icónico Bernardo Bertolucci, vítima de doença prolongada. O cineasta italiano foi um dos mestres do cinema mundial, conhecido por filmes como “O Último Tango em Paris” (1972) e “O Último Imperador” (1987).

Nasceu em 1941, em Parma, no norte de Itália, e foi como assistente de realização de Pier Paolo Pasolini que começou a sua carreira no cinema, tendo-se estreado na cadeira de realizador aos 22 anos de idade com a longa-metragem “La Commare Secca” (1962).

Seguiu-se “Antes da Revolução” (1964), “O Conformista” (1970) e A Estratégia da Aranha” (1970), mas foi com “O Último Tango em Paris”, filme marcado pelo romance erótico entre as personagens de Marlon Brando Maria Schneider, que ganhou notoriedade mundial. O filme foi um sucesso de bilheteira e obteve nomeações para o Óscar de Melhor Ator e Melhor Realizador.

Em Portugal, “O Último Tango em Paris”  passou no cinema Trindade e no Olympia, no Porto, depois da revolução de 25 de abril de 1974. Devido às famosas cenas eróticas entre Marlon Brando e Maria Schneider, o filme tinha sido censurado, mas, com a vinda da liberdade, o público encheu os cinemas, empurrando-se para chegarem às salas. Eram aos milhares os que queriam ver o filme e chegavam até autocarros da Galiza com dezenas de espanhóis para ver o filme, que, em Espanha, (ainda sob ditadura de Franco) estava censurado.

“Novecento” ou “1900” foi o seu próximo trabalho. Um épico de cinco horas sobre a luta de classes que retrata quarenta e cinco anos da história da Itália. Uma história de amizade entre dois homens de classes sociais divididas, espelho da própria Itália.

Robert De Niro, Gérard Depardieu e Dominique Sanda protagonizam esta obra política incontornável e imponente. Ennio Morricone compôs uma das suas mais belas bandas sonoras.

O seu filme “A Tragédia de um Homem Ridículo” (1981) não agradou ao público e à crítica, mas com “O Último Imperador” Bertolucci conquistou o maior sucesso da sua carreira, tendo o filme vencido nove Óscares, entre eles o de Melhor Filme e o de Melhor Realizador.

Este foi o primeiro filme ocidental a ser produzido inteiramente na China, um épico que retrata quase 60 anos da história da China, com John Lone, Joan Chen Peter O’Toole.

Seguiram-se “Um Chá no Deserto” (1990), O Pequeno Buda” (1993), “Beleza Roubada” (1996), “Os Sonhadores” (2003) e o seu último filme “Eu e Tu” (2012).

As relações familiares, as lutas de classes e os conflitos políticos foram temas sobre os quais Bertolucci se debruçou ao longo da sua carreira.

Trabalharam com o mestre italiano os seguintes atores: John Malkovich, Keanu Reeves, Joseph Fiennes, Jeremy Irons, Sonia Bergamasco, Eva Green, Louis Garrel, Jean-Louis Trintignant, Jean-Pierre Léaud, entre outros.

A sua morte representa uma enorme perda para o cinema. Addio Bertolucci!