Irrfan Khan, ator indiano reconhecido a nível mundial, morreu nesta quarta-feira, depois de ter sido internado em Bombaim com uma infeção no cólon, onde lhe tinha sido diagnosticado um cancro em 2018. Tinha 53 anos e estava internado na ala de cuidados intensivos do hospital Kokilaben. A notícia foi confirmada pelos representantes do ator.

Khan tinha sido diagnosticado com um tumor neuroendócrino em 2018. Submeteu-se a um tratamento intensivo e recuperou o suficiente para filmar “Angrezi Medium”, filme este que seria o seu último, e cuja estreia, em março deste ano, foi adiada devido à pandemia do novo coronavírus.

“I trust, I have surrendered,’ estas foram algumas das muitas palavras que Irrfan expressou numa carta sentida que escreveu em 2018 abrindo-se sobre a sua luta contra o cancro.É um homem de poucas palavras e um ator de expressões silenciosas, através dos seus olhos profundos e das suas ações memoráveis no ecrã. É triste que neste dia tenhamos de trazer a notícia da sua morte. Irrfan era uma alma forte, alguém que lutou até ao fim e que sempre inspirou todos os que se envolveram com ele”.

Khan, amplamente considerado como um dos melhores atores da Índia e elogiado pela sua presença tranquilizadora e envolvente no ecrã, recebeu inúmeros prémios ao longo de uma carreira de 30 anos, incluindo o National Film Award e vários Filmfare Awards.

Khan protagonizou em “A Lancheira”, que ganhou o Prémio Critics Week Viewers Choice em Cannes, em 2013, e também foi reconhecido pelo seu trabalho em filmes internacionais, incluindo “O Bom Nome” (2006), “Quem Quer Ser Milionário?” (2008), ”A Vida de Pi” (2012), “O Fantástico Homem-Aranha” (2012), “Mundo Jurássico” (2015) e “Inferno” (2016).

Na Índia, a morte do ator está a ser amplamente comentada nas redes sociais, com muitos a homenagearem o talento de Irrfan Khan. Houve mesmo uma mensagem vinda do primeiro-ministro indiano Narendra Modi, expressando que a morte do ator muito amado foi “uma perda para o mundo do cinema”.