Os filmes mais esperados de 2024

filmes-mais-esperados-2024-estreias-1

Depois de um ano de 2023 em que as salas de cinema portuguesas registaram, pelo terceiro ano consecutivo, um crescimento do número de espectadores (cerca de 12 milhões), segundo dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), espera-se que em 2024 seja possível atingir os números pré-pandemia (15,5 milhões em 2019).

Para 2024 são esperadas muitas estreias de sequelas de grandes blockbusters de Hollywood como “Joker 2” (3 de outubro), “Duna: Parte Dois” (29 de fevereiro), “Sonic 3: O Filme”, “Deadpool 3” (25 de julho), “Divertidamente 2” (13 de junho), “Paddington 3”, “Panda Kung Fu 4”, “Venom 3”, “Beetlejuice 2” (setembro), “Bad Boys 4” (13 de junho), “Despicable Me 4” (4 de julho), a sequela de Ridley Scott “Gladiador 2” (21 de novembro), ou o quarto filme da franquia Ghostbusters, “Caça-Fantasmas: O Império do Gelo” (28 de março).

São esperadas também as seguintes estreias: a adaptação live-action de “Mufasa: O Rei Leão”, de Barry Jenkins, O Reino do Planeta dos Macacos”, de Wes Ball (23 de maio), “Furiosa: Uma Saga Mad Max”, de George Miller (23 de maio), “Garfield: O Filme”, de Mark Dindal (30 de maio), “Malvadas”, de Jon M. Chu, Godzilla x Kong: The New Empire”, de Adam Wingard, Ballerina”, de Len Wiseman (6 de junho), ou o filme de animação “The Lord of the Rings: The War of the Rohirrim”, de Kenji Kamiyama (estreia prevista para dezembro).

O início do ano começa com estreias da temporada de prémios 2023/2024, potenciais candidatos aos Óscares, como “Pobres Criaturas”, de Yorgos Lanthimos, “A Zona de Interesse”, de Jonathan Glazer, “Ferrari”, de Michael Mann, “The Iron Claw”, de Sean Durkin, “Vidas Passadas”, de Celine Song, “Os Excluídos”, de Alexander Payne, ou “A Cor Púrpura”, de Blitz Bazawule.

Quanto ao cinema independente, europeu e asiático, destacamos algumas estreias previstas para 2024 da Midas Filmes, como “Monster”, de Hirokazu Kore-eda, “Mi País Imaginario”, de Patricio Guzmán, “La Chimera”, de Alice Rohrwacher, ou “Red Island”, de Robin Campillo. Já a distribuidora Films4You tem previsto estrear “A Pequena”, de Guillaume Nicloux (4 de janeiro), e “Calamity”, de Rémi Chayé (18 de janeiro). A Leopardo Filmes irá estrear “The Black Pharaoh”, de Michel Ocelot (1 de fevereiro), “Os Delinquentes”, de Rodrigo Moreno (18 de janeiro), e “O Processo Goldman”, de Cédric Kahn (4 de janeiro). A Nitrato Filmes tem no seu catálogo previsto as estreias de “O Corno do Centeio”, de Jaione Camborda (11 de janeiro), “Quatro Filhas”, de Kaouther Ben Hania, ou “A Fera na Selva”, de Patric Chiha.

Quanto ao cinema português, que em 2023 teve uma quota de espectadores de apenas 2,7% (o número mais baixo dos últimos cinco anos), são aguardadas grandes estreias como “Soares é Fixe”, de Sérgio Graciano, o primeiro filme biográfico sobre Mário Soares (1924-2017) que chega aos cinemas a 22 de fevereiro, no ano em que se comemora o centenário do seu nascimento. O realizador português deverá ter ainda outra estreia este ano, “Os Papéis do Inglês”, uma produção da Leopardo Filmes baseada na trilogia Os Filhos de Próspero, de Ruy Duarte de Carvalho. A produtora de Paulo Branco tem prevista também outra estreia nacional, para 8 de fevereiro, “O Pior Homem de Londres”, de Rodrigo Areias, um retrato do mundo dos pré-Rafaelitas, na era vitoriana.

“A Semente do Mal”, de Gabriel Abrantes (18 de janeiro), “Amo-te Imenso”, de Hermano Moreira (15 de fevereiro), “O Vento Assobiando nas Gruas”, de Jeanne Waltz (29 de fevereiro), ou a sequela “Balas e Bolinhos – Só Mais Uma Coisa” (15 de agosto) são algumas das estreias nacionais confirmadas até ao momento. Aguarda-se ainda data de estreia para duas produções da Promenade Filmes: “La Vie de Maria Manuela”, de João Marques, ou “Sonhar com Leões”, de Paolo Marinou-Blanco.

Estreias confirmadas do primeiro trimestre de 2024 (as datas apresentadas em baixo podem estar sujeitas a alterações):

4 de janeiro

“Ferrari”, de Michael Mann
“A Pequena”, de Guillaume Nicloux
“O Processo Goldman”, de Cédric Kahn
“A Sociedade da Neve”, de Juan Antonio Bayona (Netflix)

11 de janeiro

“Folhas Caídas”, de Aki Kaurismäki
“DogMan”, de Luc Besson
“O Corno do Centeio”, de Jaione Camborda

18 janeiro

“A Zona de Interesse”, de Jonathan Glazer
“Calamity”, de Rémi Chayé
“A Semente do Mal”, de Gabriel Abrantes

25 de janeiro

“Pobres Criaturas”, de Yorgos Lanthimos
“Le Pharaon, le Sauvage et la Princesse”, de Michel Ocelot

1 de fevereiro

“Anatomia de uma Queda”, de Justine Triet

8 de fevereiro

“O Pior Homem de Londres”, de Rodrigo Areias
“Vidas Passadas”, de Celine Song

15 de fevereiro

“Os Excluídos”, de Alexander Payne

22 de fevereiro

“A Sala de Professores”, de İlker Çatak
“The Iron Claw”, de  Sean Durkin

29 de fevereiro

“Eu Capitão”, de Matteo Garrone
“Elio”, de Adrian Molina
“Duna: Parte Dois”, de Denis Villeneuve

7 de março

“Priscilla”, de Sofia Coppola

21 de março

“Bonecas em Fuga”, de Ethan Coen

28 de março

“Caça-Fantasmas: O Império do Gelo”, de Gil Kenan
“Rapito”, de Marco Bellocchio

Skip to content