O destaque da semana vai para “Lumière!”, um documentário realizado por Thierry Frémaux, director do Festival de Cinema de Cannes e do Instituto Lumière, que seleccionou mais de 100 obras restauradas dos Lumière e ordenou por temas, numa homenagem à Sétima Arte e aos cinéfilos de todas as idades. “Lumière!” estreia hoje nas salas de cinema nacionais.

Depois de tomarem conhecimento do cinetoscópio – que resultava em imagens em movimento dentro de uma pequena caixa escura com um buraco por onde espreitava uma pessoa de cada vez –, Louis e Auguste Lumière entregaram-se ao estudo e aperfeiçoamento da técnica de projecção de imagens. O aparelho idealizado, a que chamaram cinematógrafo, tomou forma e foi registado em 1995. A invenção era, na verdade, a síntese de pesquisas realizadas por vários investigadores desde o início do século XIX. Depois de melhorarem a técnica do seu aparelho, empenharam-se em produzir filmes. Até que, no dia 28 de Dezembro de 1895, fizeram uma exibição pública em que apresentaram, perante um grupo de pessoas numa sala do Grand Café, no Boulevard des Capucines (Paris), um programa que incluía vários documentários e o seu famoso filme “La Sortie de l’Usine Lumière à Lyon”. Para muitos, esse foi o dia em que o cinema nasceu. Em poucos anos, estes e outros filmes dos Lumière percorreram o mundo, encantando multidões de espectadores que se acotovelavam para assistir à magia do cinema.