A organização do Berlinale, que prepara a 66ª edição do Festival de Cinema de Berlim, anunciou os filmes que vão estar em competição pelo Urso de Ouro e as listas de filmes a integrar as restantes secções. São 18 filmes que integrarão a selecção competitiva pelo Urso de Ouro e um deles é português.

“Cartas da Guerra” de Ivo Ferreira é a nova longa-metragem portuguesa a competir pelo Urso de Ouro de Berlinale, quatro anos depois de “Tabu” de Miguel Gomes. “Cartas da Guerra” é uma adaptação ao cinema da correspondência de António Lobo Antunes durante a Guerra Colonial em Angola publicada como “D’este Viver Aqui Neste Papel Descripto”.

Este drama sobre a guerra colonial vivida e imaginada a partir das cartas de amor enviadas de Angola por António Lobo Antunes à sua mulher, entre 1971 e 1973, tem estreia mundial no Festival de Berlim, juntando-se deste modo à competição que integra nomes pesados do cinema mundial, como Jeff Nichols, Lav Diaz, Vincent Perez, Michael Grandage, Denis Côté, Thomas Vinterberg, André Téchiné ou Yang Chao.

O cinema português será representado este ano ainda por mais seis filmes: “Balada de um Batráquio” de Leonor Teles, “Freud und Friends” de Gabriel Abrantes, “L’Oiseau de la nuit” de Marie Losier, “Eldorado XXI” de Salomé Lamas, “Posto Avançado do Progresso” de Hugo Vieira da Silva e “Rio Corgo” de Maya Kosa e Sérgio da Costa.

A cerimónia de abertura está marcada para o dia 11 de fevereiro, com “Salve, César!” dos irmãos Coen a marcar a abertura do certame. Meryl Streep será a presidente do júri da 66ª edição do Festival Internacional de Cinema de Berlim, que decorrerá até 21 de fevereiro.

 

Em Competição

Alone in Berlin, de Vincent Perez (Alemanha/França/Reino Undio)

Boris sans Béatrice (Boris without Béatrice), de Denis Côté (Canada)

Cartas da guerra (Letters from War), de Ivo M. Ferreira (Portugal)

Ejhdeha Vared Mishavad! (A Dragon Arrives!), de Mani Haghighi (Irão)

Fuocoammare (Fire at Sea), de Gianfranco Rosi (Italia/França)

Genius, de Michael Grandage (Reino Unido/EUA)

Hele Sa Hiwagang Hapis (A Lullaby to the Sorrowful Mystery), de Lav Diaz (Filipinas/Singapura)

Kollektivet (The Commune), de Thomas Vinterberg (Dinamarca/Suécia/Holanda)

L’avenir (Things to Come), de Mia Hansen-Løve (França/Alemanha)

Midnight Special, de Jeff Nichols (EUA)

Quand on a 17 ans (Being 17), de André Téchiné (França)

Smrt u Sarajevu / Mort à Sarajevo (Death in Sarajevo), de Danis Tanović (França/Bosnia e Herzegovina)

Zero Days, de Alex Gibney (EUA)

Zjednoczone Stany Miłosci (United States of Love), de Tomasz Wasilewski (Polónia/Suécia)

Soy Nero, de Rafi Pitts (Alemanha/França/México)

Inhebbek Hedi (Hedi), de Mohamed Ben Attia (Tunisia/Bélgica/França)

4 Wochen (24 Weeks), de Anne Zohra Berrached (Alemanha)

Chang Jiang Tu (Crosscurrent), de Yang Chao (China)

Fora de Competição

Hail, Caesar!, de Joel and Ethan Coen (EUA/Reino Unido) – Filme de Abertura

Chi-Raq, de Spike Lee (EUA)

Des nouvelles de la planète Mars (News from planet Mars), de Dominik Moll (França/Bélgica)

Mahana (The Patriarch), de Lee Tamahori (Nova Zelândia)

Saint Amour, de Benoît Delépine, Gustave Kervern (França/Bélgica)

Secção Panorama

Aloys, de Tobias Nölle (Suíça/França)

El rey del Once (The Tenth Man), de Daniel Burman (Argentina)

Goat, de Andrew Neel (EUA)

Grüße aus Fukushima (Fukushima, mon Amour), de Doris Dörrie (Alemanha)

Indignation, de James Schamus (EUA)

Jonathan, de Piotr J. Lewandowski (Alemanha)

Kater (Tomcat), de Händl Klaus (Austria)

La helada negra (The Black Frost), de Maximiliano Schonfeld (Argentina)

Lantouri, de Reza Dormishian (Irão)

Little Men, de Ira Sachs (EUA)

Ranenyy Angel (The Wounded Angel), de Emir Baigazin (França/Alemanha)

While the Women Are Sleeping, de Wayne Wang (Japão)