Com a propagação do novo coronavírus (COVID-19), o mês de fevereiro registou os dados mais baixos desde 2005 de espectadores nas salas de cinema.

De acordo com o Conselho de Cinema Coreano (KOFIC), o total de 7,37 milhões de entradas em fevereiro sofreu uma queda de 66,9%, em relação ao mesmo mês do ano passado.

Os filmes nacionais representaram 67% do box office, que caíram 71,3% de ano para ano, para 4,94 milhões de bilhetes vendidos. As entradas relacionadas com filmes estrangeiros diminuíram 51,9% ano após ano, para 2,42 milhões.

“O COVID-19 atingiu os cinemas com danos que não podem ser comparados com o período em que tivemos a nova gripe ou MERS”, declarou o KOFIC.

O governo sul-coreano também notou que a epidemia da nova gripe, em 2009, não parecia ter um efeito direto sobre os números do cinema imediatamente após a doença ter feito a sua primeira morte. A epidemia MERS, em 2015, testemunhou uma queda no box office no dia seguinte à primeira morte, que durou nove dias.

O box office do mês de fevereiro foi liderado pela comédia política “Honest Candidate”, com 1,42 milhões de entradas, seguido pelo thriller “The Closet”, protagonizado por Ha Jung-Woo, com 1,26 milhões de bilhetes comprados. Em terceiro lugar, o thriller político “The Man Standing Next”, de Min-ho Woo, que teve mais de 874 mil entradas em fevereiro.

“Little Women”, de Greta Gerwig, distribuído pela Sony Pictures Releasing Internacional, teve mais de 762 mil entradas no mês passado. O filme de ação/comédia “The Hitman: Agent Jun”, distribuído pela Lotte Cultureworks, rondou os 531 mil bilhetes (e um acumulado de 2,4 milhões de entradas).

A Coreia do Sul, que foi o segundo principal foco da pandemia do novo coronavírus (COVID-19), depois da China, informou esta sexta-feira, dia 13 de março, o número mais baixo de novos casos da doença em três semanas. Pela primeira vez, o número de pacientes curados superou o de novos casos, segundo o Centro Coreano para o Controle e Prevenção de Doenças (KCDC).