3   +   9   =  

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) sobre o mercado cinematográfico em Portugal de 2018, os portugueses foram menos vezes ao cinema.

O número de espectadores nas salas de cinema foi de 14,7 milhões (um decréscimo de 5,9%, ou seja, cerca de menos 920 mil espectadores do que em relação ao ano transato) e a receita bruta de bilheteira foi de 78,4 milhões de euros (representando um decrescimento de 4%, ou seja, menos 3,3 milhões do que o registado em 2017).

Em 2017, os números registados tinham sido de 15,6 milhões de espectadores e uma receita bruta de 81,6 milhões de euros. Em 2018, apenas os meses de setembro a novembro registaram um aumento de espectadores nas salas de cinema portuguesas, tendo todos os outros estado abaixo dos números de 2017.

Note-se que outubro foi o mês com mais espectadores em sala, com uma subida de 46,0%, devido à realização da 4.ª edição da Festa do Cinema, que levou 246.221 espectadores às salas em apenas três dias. O ano de 2018 foi o quarto ano com mais espectadores dos últimos oito anos (de 2011 a 2018).

Em 2018 foram estreadas 398 longas-metragens, 166 das quais com origem nos EUA e 171 de origem europeia. Os filmes norte-americanos foram vistos por 71,3% e os europeus por 8,4% do total de espectadores.

Segundo o ICA, a animação da Pixar “The Incredibles 2: Os Super-Heróis” foi o filme mais visto do ano em Portugal, tendo sido visto por 605.910 espectadores e registado 3.188.054,91€ em receita bruta. Seguem-se  “Bohemian Rhapsody” (com 469.267 espectadores) e “Hotel Transylvania 3: Umas Férias Monstruosas” (com 444.323 espectadores) em segundo e terceiro lugar, respetivamente, dos mais vistos do ano.

No ranking dos filmes nacionais mais vistos, encontra-se em primeiro lugar “Pedro e Inês”, de António Ferreira, (46.717 espectadores), em segundo, “Bad Investigate”, de Luís Ismael, (45.823 espectadores) e em terceiro “Parque Mayer”, de António-Pedro Vasconcelos, (36.161 espectadores). “Soldado Milhões”, de Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa, (28.853 espectadores) foi o quarto mais visto do ano e “Carga”, de Bruno Gascon, (25.819 espectadores) o quinto.

Se somarmos o número de espectadores de todos os filmes portugueses estreados em 2018 percebemos que 253.250 espectadores foram ver cinema português. Um número bem inferior ao de 2017, que registou 390 mil pessoas a verem produções nacionais.

No ano de 2018 foram produzidas 77 obras cinematográficas nacionais com o apoio financeiro do ICA, das quais 42 longas-metragens (23 de ficção e 19 documentários) e 29 curtas-metragens (18 de ficção, 8 de animação e 3 documentários), verificando-se, em relação ao ano anterior, um aumento de 5 obras produzidas, ou seja, um crescimento de 7,6%.

Das obras portuguesas premiadas em 2018, destaca-se “Diamantino”, realizado por Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, que conquistou no Festival de Cannes 2018 o Grande Prémio 57.ª Semana da Crítica. O filme chega às salas de cinema nacionais a 4 de abril.

Também em Cannes,  “Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos”, de João Salaviza e Renée Nader Messora, conquistou um importante prémio, o Prémio Especial do Júri na secção Un Certain Regard. A primeira longa-metragem de Leonor Teles, “Terra Franca”, que estreia hoje nas salas de cinema nacionais, recebeu o Prix Internacional de la Scam, da Competição Internacional do Cinéma du Réel.

De realçar ainda filmes como “Entre Sombras”, de Alice Eça Guimarães e Mónica Santos, “Onde o Verão Vai (Episódios da Juventude)”, de David Pinheiro Vicente, “Bixa Travesty”, de Claudia Priscilla e Kiko Goifman, “Pele de Luz”de André Guiomar, “Terra”de Hiroatsu Suzuki e Rossana Torres, “Miragem Meus Putos”, de Diogo Baldaiaentre outros que foram premiados em vários festivais nacionais e internacionais.

Número de espectadores em salas de cinema portuguesas / Receita bruta (2011-2018):
2011 – 15,7 milhões / 79,9 milhões de euros
2012 – 13,8 milhões / 73,9 milhões de euros
2013 – 12,5 milhões / 65,5 milhões de euros
2014 – 12,1 milhões / 62,7 milhões de euros
2015 – 14,5 milhões / 74,9 milhões de euros
2016 – 14,9 milhões / 76,7 milhões de euros
2017 – 15,6 milhões / 81,6 milhões de euros
2018 – 14,7 milhões / 78,4 milhões de euros

Fonte: ICA