Depois da estreia na Selecção Oficial do Festival de Cannes, e da Palma de Ouro Honorária para Jean-Pierre Léaud, o novo filme de Albert Serra recebe agora o Prémio Jean Vigo.

A quarta longa-metragem de Albert Serra, “A Morte de Luís XIV”, protagonizado por Jean-Pierre Léaud e co-produção da Rosa Filmes, foi distinguida com o Prémio Jean Vigo para melhor realizador francês emergente. A cerimónia de anúncio do prémio realizou-se no passado dia 6 de junho em Paris, no Centre Georges Pompidou.

Na comunicação do prémio deste ano, o júri distinguiu Albert Serra “pela sua forma singular de filmar a História, pelos seus filmes simultaneamente sumptuosos e irreverentes, que fazem dele um realizador único”.

Ao receber o prémio, as palavras de Albert Serra centraram-se no agradecimento a Jean-Pierre Léaud, “pelo seu trabalho de actor pleno de inocência e de integridade”, e ao Centre Georges Pompidou, onde decorreu a cerimónia de entrega do prémio: “Este projecto nasceu aqui, com a ideia de fazer uma performance no átrio principal do edifício. Fui sempre um grande admirador de Saint-Simon, e queria encenar a morte de Luís XIV já nessa altura com Jean-Pierre Léaud no papel do rei. Quatro ou cinco anos mais tarde voltei a essa ideia sob a forma de um filme de ficção.”

O Prémio Jean Vigo, em memória do realizador de “L’Atalante” (1934) e “Zéro de Conduite” (1933), existe desde 1951. Foi criado como um incentivo a jovens autores que, como Vigo, “usam o cinema como um meio de expressão total”, nas palavras dos fundadores do prémio, Claude Aveline e Luce Vigo, distinguindo filmes que “se caracterizem pela independência de espírito e pela qualidade e originalidade da realização”. Ao longo de 65 anos de existência, o Prémio Jean Vigo já foi entregue a cineastas como Jean-Luc Godard, Chris Marker, Alain Resnais, Claude Chabrol, Georges Perec, Luc Moullet, Philippe Garrel, Maurice Pialat, Jacques Rozier, Arnaud Desplechin, Olivier Assayas, Alain Guiraudie, Bruno Dumont, entre outros.

Fonte: Rosa Filmes