O destaque da semana vai para a nova obra de Vicente Alves do Ó (“Florbela” (2012)), “Al Berto”, um drama biográfico que relata um período da vida de um dos mais carismáticos poetas portugueses da segunda metade do século XX. Produzido pela Ukbar Filmes, e protagonizado por Ricardo Teixeira, José Pimentão, Raquel Rocha Vieira, José Leite, João Villas-Boas, Gabriela Barros e Ana Vilela da Costa. “Al Berto” estreia hoje nas salas de cinema nacionais.

Alberto Raposo Pidwell Tavares, que adoptou o pseudónimo de Al Berto, nasceu em 1948 em Coimbra, mas viveu toda a infância e adolescência em Sines, no litoral alentejano. Após um exílio em Bruxelas, entre 1967 e 1974, onde estudou pintura, regressou a Portugal para se dedicar à literatura. Em 1974, escreve o primeiro livro, intitulado “À Procura do Vento num Jardim d’Agosto”. Cultivando uma poesia que mistura o real e o imaginário, produziu títulos como “Uma Existência de Papel” (1985), “A Secreta Vida das Imagens” (1991) ou “Horto de Incêndio” (1997). A obra poética assinada por Al Berto entre 1974 e 1986 foi reunida na antologia “O Medo”, cuja primeira edição, publicada em 1987, foi galardoada com o Prémio PEN Clube de Poesia, em 1988. A “Medo” seguiu-se “Lunário” (1988), o único livro em prosa do autor, e “O Anjo Mudo” (1993). Al Berto morreu a 13 de Junho de 1997, de linfoma. Tinha 49 anos.