Cannes 2014_Jane Campion

A organização do Festival de Cannes anunciou hoje que a realizadora, produtora e argumentista neozelandesa Jane Campion irá ser a presidente do Júri da seleção oficial do 67º Festival de Cannes, que irá decorrer de 14 a 25 de maio de 2014. A realizadora de sete longa-metragens, vencedora de uma Palma de Ouro e de um Óscar (Melhor Argumento), ambos pelo filme “O Piano”, declarou que foi a Cannes pela primeira vez em 1986 “e, desde então, a minha admiração pela rainha das manifestações de cinema não parou de crescer. O glamour e o profissional combinam-se aqui de maneira única. É o país das estrelas, das festas, das praias e dos negócios, mas nunca perdemos de vista o que é o festival: uma celebração do cinema enquanto Arte e uma celebração do cinema de todo o mundo”. Conclui afirmando que “É uma grande honra para mim ter sido escolhida para ser Presidente do Júri. E, para dizer a verdade estou muito impaciente!”.

Jane Campion continua a ser a única realizadora a quem foi atribuída a Palma de Ouro, pelo filme “O Piano” (1993). Gilles Jacob“Era uma vez uma jovem realizadora desconhecida vinda dos antípodas que teria ficado orgulhosa por o Festival de Cannes apresentar uma das três curtas-metragens que acabara de filmar. Já afirmavam uma tal valentia, uma tal humanidade, um tal universo que, recusando-se a escolher, o Festival mostrou as três de uma só vez, pois era apenas uma. Nascera Jane Campion. E, com ela, um estilo. Seguiu-se Sweetie, O piano ou, recentemente, Bright Star – Estrela Cintilante, esse maravilhoso filme onde a poesia circula como nunca. Não se espantem que, após tantas emoções, eu lhe chame Lady Jane”.

Thierry Frémaux“É um grande orgulho a Jane Campion ter aceite. Depois de Michèle Morgan, Jeanne Moreau, Françoise Sagan, Isabelle Adjani, Liv Ullmann e Isabelle Huppert em 2009, ela completa a lista prestigiante das Presidentes de Júri. Originária de um país e de um continente onde o cinema é raro e poderoso, faz parte daqueles cineastas que incarnam na perfeição a ideia que podemos fazer do cinema como artista e seduzir um público planetário. E sabemos que a sua exigência pessoal será também a do seu júri”.

A realizadora, que estudou antropologia e depois pintura, antes de se virar para o cinema, teve o seu último filme “Bright Star – Estrela Cintilante”, uma visão original e biografia romanceada do poeta Keats e da respectiva musa, apresentado na Competição Oficial, em Cannes, em 2009.

A realizadora, que presidiu o Júri das curtas-metragens e da Cinéfondation da edição nº66, sucede assim a Steven Spielberg que presidiu o júri de Cannes em 2013.

Fonte: Festival de Cannes