A segunda edição do Cinecoa – Festival Internacional de Cinema de Foz Côa, promovido pela autarquia de Vila Nova de Foz Côa e pelo produtor e realizador português João Trabulo, arranca hoje e decorrerá até ao dia 30 deste mês.

 

O festival abre as suas portas com o filme francês “Adeus, Minha Rainha”, do realizador Benoît Jacquot, que conta com Diane Kruger, Léa Seydoux e Virgine Ledoyen no elenco. No Castelo de Versalhes, entre os dias 14 e 17 de julho de 1789. O regime monárquico começa a desmoronar e acompanhamos os acontecimentos através do olhar de Sidonie Laborde, jovem leitora da rainha Maria Antonieta. As intrigas dos cortesãos, o temor diante do que se passa no mundo exterior e a relação entre Sidonie e a rainha formam a trama do filme, que foi rodado em Versalhes e é baseado num romance escrito por uma estudiosa do século XVIII. A sessão está prevista para as 19h de hoje, no Auditório Municipal, dia da sua estreia comercial a nível nacional.

 

Em linhas gerais, o programa da edição deste ano divide-se em 5 capítulos essenciais: um Focus especial dedicado ao cineasta francês Benoît Jacquot, com a exibição de seis dos seus filmes; um panorama noturno dedicado a Lisandro Alonso, com a exibição de 3 das suas longas metragens apresentadas pelo realizador; um ciclo sobre Cinema e Arquitetura, com a exibição de alguns filmes clássicos sobre o tema, seguidos de debates com vários arquitetos nacionais e estrangeiros que ajudarão a refletir sobre a contaminação destes dois eixos de criação – sublinhando o seu impacto no nosso quotidiano e na nossa memória; uma homenagem póstuma a Vittorio de Seta, onze meses após o seu desaparecimento, com a exibição de dez dos seus documentários rodados nos anos 50 sobre o mundo rural e do trabalho; por fim, e não menos importante, as cartas brancas oferecidas à arquiteta e urbanista Elizabeth de Portzamparc e à promissora atriz portuguesa Catarina Wallenstein.

 

Cinema e Arquitetura

  • The City, de Ralph Steiner, Willard Van Dyke (EUA)
  • O Meu Tio, de Jacques Tati (França)
  • O Eclipse, de Michelangelo Antonioni (Itália)
  • O Desprezo, de Jean-Luc Godard (França)
  • Model Shop, de Jacques Demy (França)
  • Sizígia/A Casa do Lado, de Luis Urbano (Portugal)

Carta Branca: Catarina Wallenstein

  • Os Inadaptados, de John Huston (EUA)
  • Filme do Desassossego, de Joao Botelho (Portugal)

Carta Branca: Elizabeth de Portzamparc

  • Nova Iorque Fora de Horas, de Martin Scorsese (EUA)
  • Estômago, de Marcos Jorge (Brazil/Itália)

Filmes Concerto

  • L’Hirondelle et La Mesange, de André Antoine (França) – Filme de encerramento
  • La Planète Sauvage, de René Laloux (França)

FOCUS Benoît Jacquot

  • Adeus, Minha Rainha, de Benoît Jacquot (França) – Filme de abertura
  • L’Assassin Musicien, de Benoît Jacquot (França)
  • Les Enfants du Placard, de Benoît Jacquot (França)
  • Les Mendiants, de Benoît Jacquot (França)
  • La Fille Seule, de Benoît Jacquot (França)
  • Sade, de Benoît Jacquot (França)
Case Studies: COALAB
  • Milestones, de Robert Kramer e John Douglas (EUA)
  • La Vie est Ailleurs, de Elsa Quinette (França)
  • É na Terra não é na Lua, de Gonçalo Tocha (Portugal)

 Sessões Infantis

  • A História Interminável, de Wolfgang Petersen (EUA)
  • Pedro e o Lobo, de Suzie Templeton (Reino Unido/Polónia/Noruega)

Panorama Noturno

  • La Libertad, de Lisandro Alonso (Argentina)
  • Los Muertos, de Lisandro Alonso (Argentina)
  • Liverpool, de Lisandro Alonso (Argentina)

Sessão Especial

  • 30.000 Anos, de Maya Rosa (Portugal)

 

Fonte: Cinecoa – Festival Internacional de Cinema de Foz Côa