O 27.º Curtas – Vila do Conde teve ontem o seu arranque, e prolongar-se até ao dia 14 de Julho. A obra clássica do expressionismo alemão “O Gabinete do Dr. Caligari”, de Robert Wiene, foi escolhida para dar início à nova secção do Curtas: Cinema Revisitado. A música deste filme-concerto ficou a cargo de Tiago Cutileiro e de Marta Navarro, que conseguiram criar uma sonoridade completamente adequada às intensidades psicológicas que reflectem o mundo interior das personagens, oferecendo-nos uma experiência renovada do filme. Aquela magia inesgotável que o cinema mudo preserva dentro de si ganha um novo fulgor quando ouvimos soar todos os instrumentos que Tiago e Marta trouxeram para as suas composições.

O momento alto da noite foi o filme de abertura do festival, “Bacurau”. Com lotação esgotada, Kleber Mendonça Filho encarou uma plateia tão recheada e confessou a sua alegria em ver a sua obra – co-realizada com Juliano Dornelles -, recém premiada em Cannes, estrear em Vila do Conde. Sem muita demora na sua apresentação e sondando o número de brasileiros na sala, Kleber Mendonça Filho preferiu deixar para as imagens do seu filme a sua visão de mundo. Aquilo que nos apresenta é um exercício crítico levado ao seu extremo. Com um estilo tarantinesco, o realizador brasileiro faz um uso alegórico da violência para tornar evidente aquilo que de outra forma poderia ficar perdido por entre o sentido das palavras.  O filme mostra bastante e sem pudor. Bacurau conta a história de uma nação que sofreu às mãos de outros países que, por mais que se tente branquear a realidade, foram saqueando e matando, e quando a classe política se torna cúmplice dessa mesma lógica no tempo do nosso capitalismo tardio, então algo precisa ser feito para deter essas forças do seu processo de destruição. Talvez seja preciso mostrar bastante para que a história seja relembrada, para colocar os olhos nas origens, e daí aprender de novo, quantas vezes forem precisas, a força que um povo preserva e que, em alguns momentos da história, pode precisar pôr em prática, no sentido de preservar a sua dignidade e a sua liberdade.

Hoje, Domingo, a secção Cinema Revisitado terá uma cópia restaurada daquele que é um dos filmes de culto mais populares dos anos 80, “Rambo: A Fúria do Herói”, realizado por Ted Kotcheff e protagonizado por Sylvester Stallone. Poderão, ainda, ser vistas três sessões da competição internacional e mais uma sessão In Focus, com o filme “Diários de um Falhado”, de Todd Solondz.