O ano 2011 está prestes a terminar deixando para trás muitas boas memórias cinematográficas, mas também algumas más. Foi um ano cheio de bons filmes, mas também de muita crise, quer no cinema, como nas bilheteiras, quer na economia global. Para a posteridade ficam filmes como “A Árvore da Vida”, “Melancolia”, “Drive”, “Pina”, “Sangue do Meu Sangue”, “Habemus Papam” e “Super 8”, que certamente ficarão para a história do cinema como grandes obras de 2011.

 

No Mundo da 7ª Arte 2011 foi assim…

  • Grandes seres humanos que contribuíram bastante para o Cinema e para a TV partiram em 2011, como o mestre chileno Raúl Ruiz, a lendária Elizabeth Taylor, o genial Sidney Lumet, a bela Linda Christian, o visionário Steve Jobs, a grande Jane Russel e o eterno Artur Agostinho.
  • 2011 fica marcado como uma das piores apresentações da 83ª edição dos Óscares. Os jovens anfitriões, James Franco Anne Hathaway, não estiveram à altura do desafio.
  • Este é o ano da consagração do ator Ryan Gosling, que entrou em três filmes, “Amor, Estúpido e Louco”, “Drive” e “Nos Idos de Março”. Os dois últimos foram aclamados pela crítica como umas das melhores interpretações do ano.
  • 2011 ficará também marcado pelo grande número de filmes sequela ou prequela, foram mais de 15 filmes que estrearam em Portugal que eram continuação de outros. Como por exemplo, “Harry Potter 7 – Parte 2″, “Tropa de Elite 2”, “Piratas das Caraíbas 4”, “X-Men: O Início”, “Transformers 3”, “Carros 2”,  “Twilight 4“, entre muitos outros. São muito poucos os que conseguiram ser tão bons ou melhores que o primeiro. Isto poderá querer dizer que o cinema, mas especificamente o cinema de Hollywood está a atravessar uma crise de ideias já há alguns anos.
  • Lars von Trier é contestado pelas suas palavras proferidas sobre os nazis, no Festival de Cannes. “Eu compreendo Hitler. Acho que ele fez algumas coisas erradas, sim, com certeza, mas eu consigo vê-lo sentado no seu bunker no final” e “O.K., sou um nazi”, afirmou o cineasta.
  • A saga de Harry Potter chega ao fim! Um fenómeno que durou mais de 14 anos, desde a publicação do primeiro livro da saga e de toda a expectativa que precedeu cada publicação e consequentemente cada estreia.
  • 2011 ficará para a história do cinema português como o ano em que se fundou a Academia Portuguesa das Artes e Ciências Cinematográficas, ou seja, a Academia de Cinema português, que foi criada por Paulo Trancoso a 8 de Julho de 2011. A Academia foi formada por atores e técnicos da área que baptizaram os “Óscares” do cinema português de “Sophia” e que deverão ser entregues numa cerimónia a realizar já em 2012.
  • O filme de João Canijo, “Sangue do Meu Sangue”, que recebeu dois prémios no Festival de San Sebastian, uma Menção Especial do Júri do Prémio “Otra Mirada” e o prestigiado Prémio da Crítica Internacional, foi visto por mais de 20 mil espectadores, tornando-se no filme português mais visto do ano.

 

No Cinema 7ª Arte 2011 foi assim…

O Cinema 7ª Arte deu um grande salto este ano ao inaugurar um site totalmente renovado, a 16 de julho, com um novo design, nova organização, nova vida e com um domínio próprio. Passou a existir uma maior dedicação em escrever mais e melhores artigos no site, pelo que de um momento para o outro duplicamos o número de visitantes. Em setembro triplicamos, pelo que não pára de aumentar o número de visitantes.

 

Top 5 Artigos mais lidos:

  1. Nova coleção Público – Cinema Independente
  2. “Rei Leão 3D” estreia em Dezembro
  3. Destaque da Semana: “Eu Vi o Diabo”
  4. Novo trailer de “O Artista”, o filme mudo mais falado do ano
  5. Cahiers du Cinéma Top 10 melhores filmes de 2011

Top 5 Críticas mais lidas:

  1. «Eu Vi o Diabo» – Nós somos o Diabo
  2. «As Aventuras de Tintin: O Segredo do Licorn» – O “fail” do ano!
  3. «Uivo» – O lamento de uma geração em forma de poema
  4. «Conta Comigo» – Um poema sobre a amizade (25º Aniversário)
  5. «Meia-Noite em Paris» – Um pouco de nostalgia romântica

Top 5 Palavras mais pesquisadas:

  1. Rei Leão 3D
  2. Eu Vi o Diabo
  3. O Artista filme
  4. Publico colecção cinema independente
  5. Angelina Jolie