A poucos dias de terminar o ano, o Cinema 7.ª Arte faz a habitual retrospetiva cinematográfica. Apesar de nem todos os filmes terem sido um sucesso, 2014 deixa para trás bom cinema. Filmes como “Boyhood: Momentos de Uma Vida”, de Richard Linklater, “Cavalo Dinheiro”, de Pedro Costa, “Ida”, de Pawel Pawlikowski, “Os Maias”, de João Botelho, “O Lobo de Wall Street”, de Martin Scorsese, “Grand Budapest Hotel”, de Wes Anderson, “Mamã”, de Xavier Dolan“Ninfomaníaca”, de Lars von Trier, “O Acto de Matar”, de Joshua Oppenheimer, e “A Imagem que Falta”, de Rithy Panh.

Passemos então à nossa retrospetiva:

Em 2014, vimos partir grandes nomes do cinema, como Robin Williams, James Garner,  Philip Seymour Hoffman, Lauren Bacall, Richard Attenborough, Shirley Temple, Eli Wallach, Bob Hoskins, Mickey Rooney, Alain Resnais e Eduardo Coutinho.

Robin Williams foi a palavra mais pesquisada do Google a nível mundial. O ator de filmes como “Bom Dia Vietname” ou “O Clube dos Poetas Mortos” estava a passar por uma profunda depressão, tendo-se suicidado em agosto. “Frozen – O Reino do Gelo”, vencedor de dois Óscares, ocupa o nono lugar nas tendências de pesquisa divulgadas pela Google.

Os estúdios Ghibli anunciaram que iriam encerrar temporariamente. Segundo anunciou o produtor e diretor do estúdio Toshio Suzuki, o estúdio iria fazer uma “breve pausa” na produção, para reavaliar e reestruturar a empresa após a reforma de Hayao Miyazaki. O estúdio enfrenta hoje uma grave crise financeira. As suas produções são bastante caras e os últimos filmes estreados não obtiveram as receitas necessárias para ultrapassar a crise que enfrentam.

Foi em 2014 que se comemorou o centenário de Charlot. A 7 de fevereiro de 1914, Charlie Chaplin criou aquela que viria a tornar-se numa das personagens mais famosas do século XX:  Charlot, o pequeno vagabundo. A 7 de fevereiro de 2014, comemoraram-se os 100 anos de Charlot”.

Foi também neste ano, com início a 16 de abril, que se comemoram os 125 anos do nascimento de Charlie Chaplin. Chaplin foi provavelmente um dos mais populares e completos artistas. O seu nome é sinónimo de cinema.

Segundo os dados do ICA entre janeiro e novembro de 2014, e face ao período homólogo do ano anterior, registou-se uma descida na receita bruta e no número de espectadores nas salas de cinema portuguesas de 4,3% (55.003.502,27€) e 3,9% (10.588.335 espectadores) respetivamente.

Segundo o ICA, o filme “Os Maias”, de João Botelho, foi o filme português mais visto do ano (113.160 espectadores) com uma receita bruta de 564.222,31€. Ocupa o 10.º lugar no ranking dos filmes nacionais mais vistos entre 2004 a 2014 (dados de bilheteira contabilizados até 14 de novembro).

Segundo o ICA, o filme de ficção cientifica “Lucy”, de Luc Besson, foi filme mais visto do ano por cá com 308.848 espectadores e uma receita bruta de 1.628.686,44€. O segundo e terceiro filmes mais vistos do ano foram “Rio 2” e “O Lobo de Wall Street”, respetivamente.

Segundo dados do ICA, as obras cinematográficas produzidas em 2014 foram, no total, 24, cinco a mais do que em 2013 (estes dados são referentes a obras apoiadas pelo ICA e com cópia final entregue neste Instituto até 30 de novembro de 2014.)

No Cinema 7.ª Arte, foi assim…

Em 2014, o ano em que o Cinema 7.ª Arte comemorou o seu sexto aniversário, registaram-se mais de 147 mil visitas no site, sendo que o mês de janeiro registou o maior recorde de visitas de sempre: 23.189 visitas.

Em 2014, ultrapassamos os dois mil artigos publicados no site, sendo que, neste momento, totalizamos 2120 artigos publicados.

Este ano ficou marcado pela entrada de dois novos colaboradores que criaram duas novas rubricas no site, “As Escolhas de Sofia” (da autoria de Sofia Correia Pinto) e “Time waits for no one” (da autoria de Luís Carneiro Ferreira).

Quanto à rubrica “Querido Diário: Edição Cineclubes”, que teve bastante destaque em 2013, está em vias de regressar brevemente para uma segunda viagem aos cineclubes de Portugal.

Em junho de 2014, o Cinema 7.ª Arte foi convidado especial para a sessão #28 do Shortcutz Xpress Viseu. Foi uma experiência que nos permitiu chegar a um público novo e divulgar o trabalho destes seis anos e onde apresentámos a curta cubana “Pela Primeira Vez”, de Octavio Cortázar (1967).

Em abril, criámos o especial “Imagem & Revolução: 40 Anos de Abril” (ler artigo aqui), um especial com artigos dedicados ao cinema português dos primeiros anos da revolução. Foi assim que comemorámos os 40 anos do 25 de abril. Em novembro publicámos o especial “A Cidade e as Salas de Cinema. As Salas de Cinema e a Cidade” (ler artigo aqui) alusivo às salas de cinema do Porto, tendo como foco a importância da sala de cinema na cidade, fazendo uma reflexão sobre a experiência cinematográfica.

Por fim, o Cinema 7.ª Arte criou uma parceria com o ÉCU – European Independent Film Festival (Festival Europeu de Cinema Independente de Paris). Fomos também parceiros na divulgação da 1.ª edição do MUVI Lisboa – Festival Internacional de Música no Cinema, da 20.ª edição do Festival Caminhos do Cinema Português e renovámos a parceria com o Lisbon & Estoril Film Festival (8.ª edição).

Continuamos a divulgar o cinema. É esse o nosso objetivo, tentando sempre suscitar o debate e formar novos públicos.

Obrigado a todos os que nos leem!

Os 5 Artigos mais lidos:

  1. Cinema Fora do Sítio 2014: Programa

  2. Globos de Ouro 2014: Vencedores

  3. Globos de Ouro SIC 2014: Vencedores

  4. CineConchas 2014: Programa

  5. Óscares 2014: Nomeados

As 5 Críticas mais lidas:

  1. «Os Gatos Não têm Vertigens» – Balelas cinco vezes!

  2. «12 Anos Escravo» – A verdadeira escravidão

  3. «O Lobo de Wall Street» – Ascensão e queda em Wall Street

  4. «Grand Budapest Hotel» – Quando o estilo se sobrepõe ao conteúdo

  5. «Capitão América: O Soldado do Inverno» – O regresso do primeiro Avenger