Guillermo del Toro e o fascínio pelos monstros

Não é novidade que Guillermo del Toro aprecia a presença de criaturas peculiares nos seus filmes, desde o Fauno em “O Labirinto do Fauno” ao homem anfíbio em “A Forma da Água”.

O realizador participou esta semana numa discussão live no Festival Internacional de Cinema de Toronto sobre o seu muito aclamado “O Labirinto do Fauno”, vencedor de três Óscares. Durante a meia hora de debate, o realizador expressou o seu fascínio por monstros, afirmando que a sua devoção “é tão íntima quanto uma religião o é para outras pessoas”, e ainda recordou as circunstâncias nas quais se tornou num monstro, numa série de televisão de 1986 na qual escreveu alguns episódios com o seu amigo Alfonso Cuarón.

Trata-se da série mexicana “La hora marcada”, escrita e realizada por ambos e del Toro teve o prazer de encarnar o monstro, um ogre que vivia nos esgotos e era descoberto por uma rapariga, no episódio “About Ogres. No dito episódio, a rapariga escolhia viver entre os ogres e não entre os humanos, o que o realizador defende ser uma das suas maiores fantasias – “descobrir um mundo habitado por monstros e perceber que é melhor do que o nosso próprio mundo”.