As salas portuguesas de cinema registaram um aumento do número de espectadores e um crescimento da receita bruta até fevereiro de 2020.

Segundo os dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA) sobre o mercado cinematográfico em Portugal de janeiro e fevereiro de 2020, o número de espectadores nas salas de cinema foi de 2,2 milhões (um aumento de 12,1%) e a receita bruta de bilheteira foi de 12,3 milhões de euros (um aumento de 14,1%), face ao período homólogo do ano anterior. Em janeiro registaram-se 1,112,117 milhões de entradas e em fevereiro 1,157, 313 de entradas.

Até fevereiro de 2020, estrearam comercialmente quatro longas-metragens nacionais em Portugal. O filme nacional mais visto foi “O Filme de Bruno Aleixo”, de Pedro Santos e João Moreira, com 23,882 espectadores. O segundo mais visto foi o documentário de Paulo Abreu, “Alis Ubbo”, com 434 espectadores, seguindo-se “Alva”, de Ico Costa, com 257 espectadores.

“1917”, de Sam Mendes, foi o filme mais visto até 29 de fevereiro, com 319,731 espectadores, seguindo-se “Bad Boys Para Sempre”, com 250 mil espectadores, “Birds of Prey (e a Fantabulástica Emancipação De Uma Harley Quinn)”, com 152 mil espectadores.

Até fevereiro de 2020 estrearam em Portugal 52 longas-metragens, com obras provenientes dos EUA a representarem 44,2% e as de origem europeia 40,4%.

O início de 2020 parece estar a seguir a tendência do ano de 2019, que registou um aumento de idas ao cinema, com 15,5 milhões de espectadores. No entanto, apesar deste aumento do número de espectadores nas salas de cinema portuguesas, é incerto prever se irá continuar a aumentar durante os meses de março e abril devido à epidemia COVID-19, que está a levar ao encerramento de vários espaços públicos (como escolas, museus, teatros, monumentos) e ao adiamento de estreias de filmes e de eventos culturais, como cerimónias, festivais de cinema, ciclos de cinema e sessões dos cineclubes.