Conclusão

Os anos 40, apesar de terem sido um período negro da nossa história, em que Portugal era governado por um ditador, em que não havia liberdade, as pessoas eram presas e torturadas e não tinham condições para viver, o cinema português viveu o seu apogeu nestes anos, o que de certa forma é de lamentar. Esta foi a década mais importante para o cinema português, uma década onde foi possível fazer de tudo um pouco, desde comerciais com sucesso a comerciais falhados e filmes mais artísticos. O cinema português nunca mais conseguiu atingir o rigor técnico que a década de 40 obteve.

 

Infelizmente, muitos dos realizadores e actores deste período, que são ainda hoje adorados por todos os portugueses, eram apoiantes do regime salazarista, uns mais directamente do que outros, o que é pena. Mas não lhes tira o mérito profissional. É de notar que, de todos os cineastas dos anos 40 só um é que conseguiu manter-se na área, esse homem foi Manuel de Oliveira, que apesar de algumas dificuldades nos anos 50 e 60, conseguiu fazer filmes até aos dias de hoje.

 

Só em meados dos anos 90, é que o cinema português, começou a mostrar sinais de vida. E este tem vindo a melhorar e a crescer cada ano que passa, apesar de devagarinho, até ao século XXI, que na minha opinião, o cinema português tem vindo a renascer, com filmes que são reconhecidos em festivais internacionais, ganhando muitas vezes prémios importantes. Cada vez mais o nosso cinema é falado lá fora! E assim termino este especial dedicado aos anos gloriosos do cinema português, “Os Anos Dourados do Cinema Português”.