Depois do sucesso durante o Festival de Cannes de 2016, e de ter ganho o Grande Prémio FIPRESCI de Melhor Filme do Ano, “Toni Erdmann” da alemã Maren Ade, conquista agora o Prémio de Cinema LUX 2016, atribuído pelo Parlamento Europeu durante a sessão solene, em Estrasburgo. Venceu assim aos outros dois filmes nomeados, “À Peine J’Ouvre les Yeux” de Leyla Bouzid e “Ma Vie de Courgette” de Claude Barra.

A comédia negra alemã, uma crónica da relação entre uma mulher executiva muito atarefada e seu excêntrico pai, é o filme candidato da Alemanha ao Óscar de Melhor Filme Estrangeiro. Para Martin Schulz, “este filme não oferece respostas fáceis, mas, entre momentos hilariantes, encoraja-nos a procurar aquilo que devemos proteger e estimar”.

“Toni Erdman” é uma coprodução entre a Alemanha, a Áustria e a Roménia e conta com Peter Simonischek e Sandra Hüller no elenco principal.

O Prémio Lux, criado pelo PE em 2007, é atribuído com base numa votação pelos deputados do Parlamento Europeu, com o objectivo de promover e celebrar a diversidade e a relevância social do cinema dentro da UE. Até ao final do ano todos os filmes finalistas vão ser exibidos nos 28 países da União Europeia.

Em 2015, o Prémio Lux foi atribuído a “Mustang” da realizadora turca Deniz Gamze Ergüven.