8   +   2   =  

A primeira longa-metragem de Leonor Teles, “Terra Franca”, foi distinguida com o Prix International de la Scam, na 40ª edição do Festival Cinéma du Réel, em Paris, na secção Competição Internacional.

A realizadora de 25 anos foi distinguida num dos mais relevantes festivais de cinema documental com a sua primeira longa, produzida pela Uma Pedra no Sapato, que retrata a vida de Albertino Lobo, um pescador de Vila Franca de Xira, e da sua família. O prémio foi atribuído pelo júri da competição internacional composto por Alice Diop (realizadora), Mark Peranson (crítico e programador) e Albert Serra (realizador).

À beira do Tejo, numa antiga comunidade piscatória, um homem vive entre a tranquilidade solitária do rio e as relações que o ligam à terra. TERRA FRANCA retrata a vida deste pescador, atravessando as quatro estações que renovam os ciclos da natureza e acompanham as contingências da vida de Albertino Lobo.

Em 2016, Leonor Teles tinha vencido o Urso de Ouro para Melhor Curta-Metragem por “Balada de um Batráquio”, no Festival de Berlim.

O Grande Prémio do festival foi para “L. Cohen”, do norte-americano James Benning.