Toubab - Florian Dietrich © Max Preiss

“Toubab” de Florian Dietrich é o filme vencedor do Prémio do Público na KINO 2022

Florian Dietrich, com Toubab, é o grande vencedor do Prémio do Público na 19.ª edição da  KINO – Mostra de Cinema de Expressão Alemã, do Goethe-Institut Portugal. Toubab, a primeira longa-metragem do realizador, foi o filme preferido do público português e venceu com uma nota média de 9/10, deixando em segundo lugar o filme de encerramento da KINO, A Grande Liberdade (8,9/10), e em terceiro lugar Ivie mais Naomi (8,4/10).

Toubab é uma comédia e conta a história de Babtou que após ser libertado da prisão, não tarda a meter-se novamente em sarilhos com a polícia. Embora tenha nascido na Alemanha, corre o risco de ser deportado para o Senegal, que é supostamente o seu «país de origem». Julius Nitschkoff – que interpreta o papel de Dennis, o melhor amigo de Babtou – e Farba Dieng – que dá vida à personagem de Babtou – revelam-se atores convincentes, não apenas como melhores amigos, dispostos a fazer qualquer coisa um pelo outro, mas também ao simularem uma relação de casal, estratagema a que recorrem para que Babtou possa escapar à deportação.

Toubab – Florian Dietrich © Max Preiss

O realizador Florian Dietrich teve a ideia para o filme após reunir com indivíduos que se encontram presos num centro de detenção juvenil em Wiesbaden, onde Dietrich implementa projetos artísticos e de teatro com a coargumentista Anne Dechow. Aí, tiveram a oportunidade de conhecer jovens adultos prestes a ser deportados para o país dos respetivos pais, sem que eles próprios alguma vez lá tenham estado.

Em 2021, Toubab venceu o Prémio NDR de Realização (NDR-Regiepreis), bem como com o Prémio do Público, no Film Art Festival de Mecklemburgo-Pomerânia (Filmkunstfest MV) e o Prémio do Público do Festival de Cinema de Varsóvia.

A estas distinções, junta-se agora o Prémio do Público da KINO 2022. A KINO decorreu de 27 de janeiro a 2 de fevereiro no Cinema São Jorge, em Lisboa, e até 6 de fevereiro em Filmin.pt com a rubrica “KINO no feminino”.

 

Skip to content