A estreia de Paul Dano, ator de filmes como “Uma Família à Beira de um Ataque de Nervos” (2006), “Haverá Sangue” (2007) e “Raptadas” (2013), como realizador com “Wildlife” venceu Melhor Filme na 36.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Turim, cuja seleção incluiu várias primeiras e segundas obras autorais.

“Wildlife”, baseado no livro de Richard Ford e adaptado para cinema por Dano e Zoe Kazan, é uma história coming of age, com Jake Gyllenhaal, Carey Mulligan e Ed Oxenbould no elenco, sobre um rapaz coagido a lidar com o declínio do casamento dos seus pais, quando o pai os abandona temporariamente. A longa teve a sua estreia nacional no Festival de Sundance, em janeiro de 2018.

 O júri internacional do festival foi presidido pelo realizador chinês Jia Zhangke e teve como membros Marta Donzelli (Itália), Miguel Gomes (Portugal), Col Needham (Reino Unido) e Andreas Prochaska (Áustria). O prémio Fondazione Sandretto Re Rebaudengo Award, o segundo galardão mais importante da noite, foi arrecadado pela obra alemã “The Mover”, de David Nawrath, uma estreia inspirada no género noir.

O ator Rainer Bock também recebeu um prémio pela sua representação no papel principal. A Menção Especial do Júri foi para o filme húngaro “Bad Poems”, de Gábor Reisz, enquanto a produção dinamarquesa “The Guilty”, de Gustav Möller, arrecadou o prémio de Melhor Ator, dividido com Rainer Bock, e o de Melhor Argumento, escrito por Emil Nygaard Albertsen, e ainda o Prémio Audiência, partilhado com “Our Struggles”, uma produção franco-belga de Guillaume Senez. “Homo Botanicus”, realizado por Guillermo Quintero, foi vencedor na categoria de Melhor Documentário e “Unas Preguntas”, de Kristina Konrad, levou o Prémio Especial do Júri.

“Pity”, do cineasta grego Babis Makridis, recebeu o Prémio FIPRESCI. O Festival Internacional de Turim concluiu a sua edição de 2018 homenageando o mestre italiano Bernardo Bertolucci com uma retrospetiva.