A quatro meses do final do ano, os olhos estão já postos na próxima cerimónia dos Óscares – a 92.ª edição realiza-se a 9 de fevereiro de 2020, no Dolby Theatre. Nas próximas semanas, decorrerão quatro dos maiores festivais de cinema da actualidade: Veneza, Telluride, Toronto e Nova Iorque. Veneza apresentará novos filmes de Soderbergh, Baumbach, Gray e Kore-eda. Telluride lançará longas de Mangold, os irmãos Safdie e Reichardt. Toronto estreará obras de Crowley, Heller e Waititi. Por fim, Nova Iorque será a rampa de lançamento do tão aguardado “O Irlandês”, de Martin Scorsese.

Muito nos espera, mas também muitos foram os filmes de 2019 que já estrearam, em sala ou em festivais por todo o mundo. Se as nomeações aos Óscares fossem hoje, que filmes se destacariam na multidão? Que atores e atrizes seriam nomeados pelas suas interpretações? Façamos um balanço do melhor que já se viu em 2019.

Cinco filmes já prometeram furor – por coincidência todos estreados em festivais. Em Maio, o Festival de Cannes coroou um filme coreano (“Parasitas) e ainda nos ofereceu um Tarantino e um Almodóvar. O festival norte-americano de Sundance, que decorreu nos meses de janeiro e fevereiro, estreou dois filmes promissores: a comédia-dramática “The Farewell” e o drama “The Report”. O primeiro, realizado por Lulu Wang, conta a história de Billi, uma jovem norte-americana de origem chinesa que regressa à China para visitar a avó que se encontra em estado terminal. “The Report” foi realizado por Scott Z. Burns, argumentista de vários filmes de Steven Soderbergh, e segue a investigação de um membro do Comité de Inteligência do Senado norte-americano na sequência do 11 de setembro. Eis os candidatos:

– “Era Uma Vez em… Hollywood, de Quentin Tarantino

– “The Farewell, de Lulu Wang

– “Parasitas, de Bong Joon-ho

– “Dor e Glória, de Pedro Almodóvar

– “The Report, de Scott Z. Burns

Três atrizes destacaram-se na primeira metade de 2019: Lupita Nyong’o, Alfre Woodard e Awkwafina. Lupita é a protagonista de “Nós”, o novo filme de terror de Jordan Peele. A vencedora do Óscar de Melhor Atriz Secundária por “12 Anos Escravo” (2013) impressionou ao representar não um mas dois papéis: o de mãe de família e o de sósia assassina. Em “Clemency”, Woodard interpreta uma directora de uma prisão, angustiada pelas execuções que superintende no corredor da morte. Awkwafina, mais conhecida pelos filmes de 2018 “Ocean’s 8” e “Crazy Rich Asians”, interpreta Billi, a personagem principal de “The Farewell”. Eis as candidatas:

– Lupita Nyong’o, em “Nós”

– Alfre Woodard, em “Clemency”

– Awkwafina, em “The Farewell”

Os três favoritos ao Óscar de Melhor Ator não podiam ser mais diferentes. Temos o jovem, ainda na casa dos vinte, no seu primeiro grande papel; temos o favorito da Academia, vencedor do Óscar uma vez e nomeado outras quatro vezes; e temos um conhecido nome do grande ecrã, com uma carreira que expande quatro décadas (!) e 92 filmes (!!) – e contudo zero nomeações ao Óscar. Falamos de Taron Egerton no papel de Elton John; Leonardo DiCaprio como Rick Dalton; e Antonio Banderas, o eterno Zorro, a interpretar uma versão do realizador Pedro Almodóvar. Eis os candidatos:

– Taron Egerton, em “Rocketman”

– Leonardo DiCaprio, em “Era Uma Vez em… Hollywood”

– Antonio Banderas, em “Dor e Glória”

Nesta categoria, há uma candidata de peso: Annette Bening. Bening, de 61 anos, nunca ganhou um Óscar. Então não ganhou em 1999 por “Beleza Americana”? Não, foi Hillary Swank quem levou a estatueta para casa. E não ganhou em 2010 por “Os Miúdos Estão Bem”? Não, Natalie Portman foi a premiada nesse ano. Quatro vezes nomeada, quatro vezes derrotada. Será desta? É capaz. Bening interpreta a senadora Dianne Feinstein no filme “The Report”. Como é sabido, a Academia adora quando atores representam pessoas reais – logo, uma grande vantagem para Bening. Para já, a sua maior concorrência é Margot Robbie no papel da atriz Sharon Tate (também ela uma pessoa real) e Zhao Shuzhen como Nai Nai, a avó em estado terminal no filme “The Farewell”. Eis as candidatas:

– Annette Bening, em “The Report”

– Margot Robbie, em “Era Uma Vez em… Hollywood”

– Zhao Shuzhen, em “The Farewell”

À semelhança da categoria de Melhor Atriz Secundária, também aqui estamos perante o caso de uma grande estrela de cinema que nunca ganhou um Óscar: Brad Pitt. Correcção: Pitt ganhou o Óscar de Melhor Filme em 2013, como produtor de “12 Anos Escravo” – mas isso não conta. Pitt não ficará para História como produtor, mas sim como actor. Como J.D. em “Thelma e Louise”, como Tyler Durden em “Clube de Combate”, como Rusty na trilogia “Ocean’s”, como Lt. Aldo Raine em “Sacanas Sem Lei”, entre muitas outras personagens icónicas. Pitt tem uma grande chance de vencer a estatueta, pois a concorrência é (para já) pouca. À espreita estão Willem Dafoe no papel de faroleiro Thomas Wake, outro conceituado ator que ainda está por vencer um Óscar; e Jamie Bell como Bernie Taupin, colaborador e melhor amigo de Elton John. Eis os candidatos:

– Brad Pitt, em “Era Uma Vez em… Hollywood”

– Willem Dafoe, em “The Lighthouse”

– Jamie Bell, em “Rocketman”