Arouca Film Festival 2012: Selecção Oficial

Foi divulgada recentemente a selecção oficial para a 10ª edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo de Arouca, que se irá realizar de 14 a 16 de setembro. O festival celebra dez anos de existência, sendo já uma referência em Portugal e no mundo, que estimulou a produção cinematográfica, a um nível local, mas também nacional e internacional. A organização seleccionou 38 curtas-metragens, das quais 25 são portuguesas, que irão competir pelo prémio principal, a Lousa de Ouro (Melhor Filme). Durante o festival vão decorrer dois workshops, um de “Realização e Produção de Cinema Independente”, por José Fangueiro e Pedro Semedo, e outro de “Edição”, por Ismael Afonso.

 

Das 25 curtas de produção nacional, destacamos: “O canto dos cisnes”, de Marco Barbosa, que foi finalista do prémio ZON 2011 e já passou pelo Curtas Vila do Conde, MIFEC, FESTIN e no Curtas em Flagrante; e “Falha do sistema”, de José Miguel Moreira, realizador de “A Parideira” (2011), que estreou no Fantasporto 2012;

 

Selecção oficial:

  • Come What May, de Maxime Feyers, Mathieu Bergeron (França)
  • E amanhã, de Bruno Cativo (Portugal)
  • Terminal 2, de Luccas Soares (Brasil)
  • Dente de leão, de Tiago Ribeiro (Portugal)
  • Perdoa-me, de André Dias, Joana Silva (Portugal)
  • Bear me, de Kasia Wilk (Alemanha)
  • O canto dos cisnes, de Marco Barbosa (Portugal)
  • Grand Prix, de Marc Riba, Anna Solanas (Espanha)
  • Once upon a time in the countryside, de Ricardo Machado (Portugal)
  • PT.ES, de Pedro Sena Nunes (Portugal)
  • Falha do sistema, de José Miguel Moreira (Portugal)
  • Aquel no era yo, de Esteban Crespo (Espanha)
  • Estátua, de Carlos Silva (Portugal)
  • Lágrimas de um palhaço, de Cláudio Sá (Portugal)
  • Prólogo, de Lucas Figueroa (Espanha)
  • Bruxas, de Francisca Lança (Portugal)
  • O frigorifico, de Raul Domingues (Portugal)
  • O 21 da Rua da Esperança, de Luís Batista (Portugal)
  • Luminaris, de Juan Pablo Zaramella (Argentina)
  • Cronofóbico, de Edgar Ferreira (Portugal)
  • Ciclos, Biciclos e Triciclos, de Joana Castro, Marlene Soares (Portugal)
  • Muertos y vivientes, de Iñaki San Román (Espanha)
  • O quadro, de Hélder Filipe, Luís Sérgio (Portugal)
  • Fly – Último adeus, de Tiago Martins (Portugal)
  • Climbing, de Joaquim Fontes (Portugal)
  • Son dos días, de Andrés Lopetegui (Espanha)
  • Gesto de amor, de Diogo Pessoa de Andrade (Portugal)
  • Ella, de Juan Montes de Oca (Espanha)
  • Head, de Tiago Ferreira, Andrea Fernandez, Alberto Simões (Portugal)
  • Faminto, de Hernâni Duarte Maria, Pedro Noel da Luz (Portugal)
  • O risco, de José Pedro Lopes (Portugal)
  • Abelardo, de Accorde Filmes (Brasil)
  • El cartero, de Cláudia Alves (Portugal)
  • Directo, de Luís Alvarães (Portugal)
  • La boda, de Marina Seresesky (Espanha)
  • Demora, de Ricardo Martins (Portugal)
  • Tomatl, chronique de la fin du monde, de Luis Briceño (França)
  • A estrela mais brilhante, de Joana Santos, André Matos (Portugal)