Berlim 2021: Seis produções portuguesas em três secções oficiais

mudanca-welket-bungue-2020-1

Há seis produções portuguesas que vão marcar presença na 71.ª edição do Festival de Cinema de Berlim, em três secções oficiais. Filmes de Susana Nobre, Diogo Costa Amarante, Welket Bungué e Ana Vaz integram a programação oficial da Berlinale 2021.

Na competição de curtas-metragens (Berlinale Shorts) estão os filmes “Luz de Presença”, de Diogo Costa Amarante, e Nanu Tudor”, da realizadora moldava Olga Lucovnicova, uma co-produção entre Portugal, Bélgica e Hungria. O realizador Diogo Costa Amarante integra a selecção de Berlim pela terceira vez, tendo já vencido o Urso de Ouro das Curtas em 2017 por “Cidade Pequena”.

Luz-de-Presenca-2021-1
“Luz de Presença”, de Diogo Costa Amarante

Na secção Fórum, em estreia mundial, a nova longa-metragem da realizadora Susana Nobre, “No Táxi do Jack”. A realizadora, de filmes como “Lisboa – Província”(2010) e “Tempo Comum”(2018), descreve o filme como um “road-movie fechado, que em vez de nos levar num traçado rectílineo de uma estrada nas suas diferentes paragens, faz-se num movimento concêntrico sobre a história de vida de Jack.”

Na secção paralela Forum Expanded, dedicada ao cinema de artista e multimédia, estão “Mudança”, um filme-dança do ator e realizador luso-guineense Welket Bungué, com a deputada Joacine Katar Moreira, “13 ways of looking at a blackbird”, de Ana Vaz, e “Night for day”, da artista visual britânica Emily Wardill, uma co-produção entre Portugal e Áustria.

Para Welket Bungué esta será a quarta vez que marca presença na Berlinale: três como ator em “Cartas da Guerra” (2016), de Ivo M. Ferreira, “Joaquim” (2017), de Marcelo Gomes, e “Berlin Alexanderplatz” (2020), de Burhan Quarbani; e uma agora como realizador de “Mudança”. O filme tem “como proposta visual a plasticidade do texto interpretado, e da imagem digital (pinturas do artista plástico Nú Barreto) projetada sobre os performers. A música (autoria de Mû Mbana) e o conteúdo textual apelarão ao dramatismo onírico de um território pensado a partir de sensações insulares, trazidas pelas referências ao povo do arquipélago Bijagó, na Guiné-Bissau.”

Berlinale Shorts
Luz de Presença, de Diogo Costa Amarante
Nanu Tudor, de Olga Lucovnicova

Forum
No táxi do Jack, de Susana Nobre

Forum Expanded
13 Ways of Looking at a Blackbird, de Ana Vaz
Mudança, de Welket Bungué
Night for Day, de Emily Wardill

No-Taxi-do-Jack-susana-nobre-2021
No Táxi do Jack, de Susana Nobre