mudanca-welket-bungue-2020-1

Berlim 2021: Seis produções portuguesas em três secções oficiais

Há seis produções portuguesas que vão marcar presença na 71.ª edição do Festival de Cinema de Berlim, em três secções oficiais. Filmes de Susana Nobre, Diogo Costa Amarante, Welket Bungué e Ana Vaz integram a programação oficial da Berlinale 2021.

Na competição de curtas-metragens (Berlinale Shorts) estão os filmes “Luz de Presença”, de Diogo Costa Amarante, e Nanu Tudor”, da realizadora moldava Olga Lucovnicova, uma co-produção entre Portugal, Bélgica e Hungria. O realizador Diogo Costa Amarante integra a selecção de Berlim pela terceira vez, tendo já vencido o Urso de Ouro das Curtas em 2017 por “Cidade Pequena”.

Luz-de-Presenca-2021-1
“Luz de Presença”, de Diogo Costa Amarante

Na secção Fórum, em estreia mundial, a nova longa-metragem da realizadora Susana Nobre, “No Táxi do Jack”. A realizadora, de filmes como “Lisboa – Província”(2010) e “Tempo Comum”(2018), descreve o filme como um “road-movie fechado, que em vez de nos levar num traçado rectílineo de uma estrada nas suas diferentes paragens, faz-se num movimento concêntrico sobre a história de vida de Jack.”

Na secção paralela Forum Expanded, dedicada ao cinema de artista e multimédia, estão “Mudança”, um filme-dança do ator e realizador luso-guineense Welket Bungué, com a deputada Joacine Katar Moreira, “13 ways of looking at a blackbird”, de Ana Vaz, e “Night for day”, da artista visual britânica Emily Wardill, uma co-produção entre Portugal e Áustria.

Para Welket Bungué esta será a quarta vez que marca presença na Berlinale: três como ator em “Cartas da Guerra” (2016), de Ivo M. Ferreira, “Joaquim” (2017), de Marcelo Gomes, e “Berlin Alexanderplatz” (2020), de Burhan Quarbani; e uma agora como realizador de “Mudança”. O filme tem “como proposta visual a plasticidade do texto interpretado, e da imagem digital (pinturas do artista plástico Nú Barreto) projetada sobre os performers. A música (autoria de Mû Mbana) e o conteúdo textual apelarão ao dramatismo onírico de um território pensado a partir de sensações insulares, trazidas pelas referências ao povo do arquipélago Bijagó, na Guiné-Bissau.”

Berlinale Shorts
Luz de Presença, de Diogo Costa Amarante
Nanu Tudor, de Olga Lucovnicova

Forum
No táxi do Jack, de Susana Nobre

Forum Expanded
13 Ways of Looking at a Blackbird, de Ana Vaz
Mudança, de Welket Bungué
Night for Day, de Emily Wardill

No-Taxi-do-Jack-susana-nobre-2021
No Táxi do Jack, de Susana Nobre
Skip to content