Julho é o mês das curtas-metragens. De 7 a 15 de julho, o Curtas Vila do Conde regressa, celebrando 20 anos, afirmando-se como o mais importante festival de curtas-metragens do país. Segundo a organização do festival, esta edição será a maior de sempre, quer em quantidade e em qualidade, com muitos filmes portugueses em competição. Haverá, como sempre, diversos workshops, debates e exposições.

 

Para celebrar o 20º Curtas Vila do Conde foram preparados vários eventos especiais. O maior deles é a produção de quatro curtas-metragens encomendadas a quatro realizadores de prestígio (Thom Andersen, Sergei Loznitsa, Tann Gonzales e Helvécio Marins Jr.). Para além disso, será também projetadas várias sessões com filmes dos últimos anos; um debate sobre o cinema português; e o documentário de José Vieira Mendes “Gerações Curtas!?”.

 

A 20ª edição do Curtas Vila do Conde vai dar destaque a Stanley Kubrick, através da exposição “2012 Odisseia Kubrick”, que inclui obras de autores como Graham Gussin, Johan Thurfjell, Nicolas Provost, Pedro Tudela, Miguel Soares, Alexandre Estrela, João Tabarra e João Onofre. A acompanhar a Exposição, haverá um programa paralelo que inclui filmes do realizador e o documentário “Stanley Kubrick – A Life in Pictures”, de Jan Harlan.

 

O festival abre hoje com a estreia da primeira longa-metragem do belga Nicolas Provost, “The Invader”, às 21h, no Teatro Municipal (SALA 1).

 

Competição Internacional

Sem Neve, de Magnus von Horn (Polónia) FIC

Derek o Lesma, de Dan Ojari (RU) ANI

Os Cinco Elementos, de Mohan Kumar Valasala (India) DOC

Siroco, de Hisham Bizri (Egito) FIC

Orgulho Flamingo, de Tomer Eshed (Alemanha) ANI

As Crianças da Noite, de Caroline Deruas (França) FIC

Bagagem, de Danis Tavoni (Bosnia) FIC

Ténis, de Vladimir Dembinski (Roménia) FIC

Pitagossauro, de Peter Peake (RU) ANI

Sack Barrow, de Ben Rivers (RU) EXP

Sem Título (Carta para Serra), de Lisandro Alonso (Argentina) FIC

Teorias Aplicadas Sobre a Expansão da Mente, de Bergendahl (Quénia) EXP

Os Amores Perdidos, de Samanou Achèche-Sahlstrom (Dinamarca) FIC

A Story for the Modlins, de Sergio Oksman (Espanha) DOC

Silencioso, de L. Rezan Yeilba (Turquia) FIC

Mãe e Filho, de Andrey Ushakov (Rússia) FIC

Ilha Alta, de Federico Adorno (Paraguai) FIC

Os Mortos de Alos, de Daniele Atzeni (Itália) FIC

Os Mortos-Vivos, de Anita Rocha da Silveira (Brazil) FIC

O Marinheiro Mascarado, de Sophie Letourneur (França) FIC

Furico & Fiofó, de Fernando Miller (Brazil) ANI

Circunscritos Num Quadro, de Valery Schevchenko (Rússia) DOC

Voice Over, de Martin Rosete (Espanha) FIC

A Fábrica, de Aly Muritiba (Brazil) FIC

Ninouche, de Valérie Massadian (França) FIC

Meteor, de Christoph Girardet (Alemanha) FIC

Postais de Somova, Roménia, de Andreas Horvath (Austria) DOC

Moving Stories, de Nicolas Provost (Bélgica) FIC

Edmund era um Asno, de Franck Dion (França) ANI

Malody, de Phillip Barker (Canadá) FIC

A Vida Parisiense, de Vincent Dietschy (França) FIC

A Nuvem do Desconhecimento, de Tzu Nyen Ho (Singapura) DOC

Significado de Estilo, de Phil Collins (Malásia) FIC

A Anunciação, de Eija-Liisa Ahtila (Finlândia) FIC

Elétrico, de Michaela Pavlatova (Roménia) ANI

 

Competição Nacional

A Tempestade, de Teresa Garcia FIC

Cossé, 16h, de Gil Ramos DOC

Vazante, de Pedro Flores FIC

Outro Homem Qualquer, de Luís Soares ANI

As Ondas, de Miguel Fonsesa, FIC

Cacheu, de Filipa César FIC

O Balde, de Ivo Costa FIC

Solo, de Mariana Galvão FIC

Manhã de Santo António, de João Pedro Rodrigues FIC

O Nylon da Minha Aldeia, de Possidónio Cachapa FIC

A Cidade e o Sol, de Leonor Noivo FIC

Sanguetinta, de Filipe Abranches ANI

A Comunidade, de Salomé Lamas DOC

Entrecampos, de João Rosas FIC

Zwazo, de Gabriel Abrantes FIC

Os Vivos Também Choram, de Basil da Cunha FIC

Sinais de Serenidade por Coisas sem sentido, de Sandro Aguilar FIC

O Carteiro, de Cláudia Alves DOC