Morreu o cineasta Fernando Lopes

Portugal perdeu esta quarta-feira (2 de maio) um dos maiores nomes do cinema português, Fernando Lopes. O cineasta português, que já se encontrava internado no Hospital em Lisboa, morreu aos 76 anos, deixando para trás uma obra composta por cerca de 30 filmes entre documentário e ficção.

 

Começou a trabalhar na RTP em 1957 e na década de 80 foi co-fundador e diretor da RTP2. Foi ainda professor durante vários anos no Curso de Cinema da Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa.

 

Mas foi no cinema, com “Belarmino” (1964), que Fernando Lopes se torna numa referência do Novo Cinema Português. Um documentário, fiel ao neo-realismo, sobre as memórias de um antigo pugilista que passa da fama para o esquecimento.

 

Das suas obras destacam-se “Uma abelha na chuva” (1971), “Uma Abelha na Chuva” (1972), “Crónica dos Bons Malandros” (1984) , “O fio do horizonte” (1993), “98 octanas”  (2006), “O Delfim” (2002) e “Em Câmara Lenta” (2012). Este último estreou ainda em março este ano.