O destaque da semana vai para “A Rapariga Dinamarquesa”, um filme dramático que conta com a assinatura de Tom Hooper (“O Discurso do Rei”, “Os Miseráveis”). O argumento é baseado na obra homónima de David Ebershoff que, por sua vez, se inspira na extraordinária história dos artistas Einar Wegener/Lili Elbe e Gerda Wegener. Os atores Eddie Redmayne, Alicia Vikander, Ben Whishaw, Sebastian Koch, Amber Heard e Matthias Schoenaerts dão vida às personagens. “A Rapariga Dinamarquesa” estreia hoje nas salas de cinema nacionais.

Dinamarca, década de 1920. O casal Einar e Gerda Wegener são dois pintores reconhecidos. Um dia, por mero acaso, a rapariga que Gerda contratou para retratar nas suas pinturas cancela o encontro. Sem alternativa, lembra-se de usar o próprio marido como modelo. Ele acede ao seu pedido. Será naquele momento que ele, usando roupas de mulher, sente nascer dentro de si algo que, com o passar do tempo, se transformará no mais intenso desejo da sua vida: ser mulher. Se, ao princípio, isto lhes parece a ambos uma espécie de jogo, aos poucos leva-o a uma lenta transformação numa outra pessoa, que o obriga a viver uma vida dupla enquanto Einar ou Lili – o nome adoptado na sua “persona” feminina. Até que ele decide arriscar uma cirurgia experimental na Alemanha para mudar de sexo, tornando-se na primeira pessoa a submeter-se a uma intervenção do género. Ao longo de dois anos, Lili Elbe foi operada cinco vezes. No final deste processo, solicitou ao rei da Dinamarca que dissolvesse o seu casamento. O pedido foi concedido em 1930, altura em que conseguiu ver legalizada a sua nova identidade. Durante todo o processo, Gerda esteve sempre ao seu lado…

Sinopse: Cinecartaz Público