Ao fim da primeira semana de exibição, quase 28.000 espectadores já viram “Pedro e Inês”, que é já o segundo filme português mais visto deste ano, tendo estreado em 50 salas de todo o país. “Pedro e Inês” é a adaptação cinematográfica do romance “A Trança de Inês”, de Rosa Lobato de Faria, por António Ferreira e conta com Diogo Amaral e Joana de Verona como protagonistas.

O amor trágico do Infante D. Pedro e Inês de Castro é contado em três tempos distintos, primeiro na época Medieval, depois no presente e, por fim, no futuro, em que se idealiza que as pessoas regressem ao campo vindas da cidade.

O filme foi rodado em quatro concelhos do distrito de Coimbra – Cantanhede, Montemor-o-Velho e Lousã. O elenco é composto ainda por Vera Kolodzig, Cristóvão Campos, Custódia Gallego, João Lagarto, Miguel Borges e Miguel Monteiro.

O filme foi selecionado para a competição oficial do MWFF 2018 – Festival Internacional de Cinema de Montreal (Montreal World Film Festival) no Canadá, e está em competição oficial (Novos Realizadores) na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2018 (de 18 a 31 de outubro) e no Festival do Rio (a decorrer em novembro).

Segundo dados do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), “Pedro e Inês” ocupa o segundo lugar da tabela dos filmes portugueses mais vistos de 2018, com uma receita bruta de 89.570,92€. “Bad Investigate”, de Luís Ismael, ocupa o primeiro lugar, com 45.422 espectadores e uma receita de 241.813,86€, enquanto que o terceiro lugar é ocupado por “Soldado Milhões”, de Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa, tendo sido visto por 25.889 espectadores.