Depois do documentário “Correspondências” (2016), a realizadora Rita Azevedo Gomes trabalha agora a ficção de época com “A Portuguesa”uma adaptação da novela Die Portugiesin”, de Robert Musil.

Os von Ketten (Delle Catene como são conhecidos no norte de Itália), disputam as forças do Episcopado de Trento. Von Ketten casa num país distante: Portugal. Durante o ano de viagem de regresso a Itália, nasce o primeiro filho. Mal chega a casa, Ketten parte para a guerra. A Portuguesa recusa-se a voltar para o seu país, Portugal. Passam-se onze anos e correm rumores acerca da “estrangeira”, dizem-na uma herege. Um dia, o Bispo de Trento morre e a assinatura de paz põe fim a uma luta de várias gerações. A Portuguesa vê regressar a casa um ser indefeso, febril, enfraquecido. Neste fim aparente, é a Portuguesa que vence onde a morte parecia querer entrar…

Nas notas de intenção de Rita Azevedo Gomes, a realizadora escreveu que “tudo o que se passa entre a Portuguesa e o marido (Von Ketten) assenta no não dito. Ninguém sabe ao certo se realmente existiram ou não. Não é a veracidade disso que importa. Esta história, num determinado período da História, rente ao Principado Episcopal de Trento, liga-nos a uma série de factos que reflectem o tempo actual, partindo do princípio de que os nossos antepassados não eram diferentes, apenas estavam num lugar diferente. Não é tão difícil fazer do homem gótico ou do grego antigo o homem da civilização moderna.”

Neste drama de época a realizadora escreveu ainda que não pretende uma reconstituição histórica: “Não desejo recuperar o passado, para mais um passado tão longínquo – nem creio que tal seja possível, ou tenha razão de ser. No texto de Musil gosto do que nele há de contemporaneidade. Quando o mundo lá fora nos pesa sobre a língua, e se misturam todos os discursos,  em que entendidos e charlatães usam as mesmas fórmulas com mínimas diferenças, acredito que o ‘A Portuguesa’, falará por si.”

O elenco é composto por Clara Riedenstein, Marcello Urgeghe, Ingrid Caven, Rita Durão, João Vicente, entre outros. Acácio da Almeida, o grande mestre da cinematografia portuguesa, assina mais uma vez a direcção de fotografia. A música é da autoria de José Mário Branco.

Produzido pela Basilisco Filmes, “A Portuguesa” ainda não tem data de estreia em Portugal.