A Academia Portuguesa de Cinema, em parceria com o ICA – Instituto do Cinema e do Audiovisual e a EFA – Academia de Cinema Europeia, vai promover a primeira edição em Portugal do Young Audience Award, uma iniciativa internacional da Academia Europeia de Cinema que tem como principal objetivo premiar filmes sobre jovens, com base nos votos de um público com idades compreendidas entre os 12 e os 14 anos.

Em Portugal, o evento de seleção do vencedor irá decorrer na Cinemateca Portuguesa chega pela primeira vez no dia 8 de maio, a partir das 9h até às 22h30. Os jovens convidados para assistir à sessão e votar no filme vencedor fizeram às inscrições na Academia através das Escolas.

Os filmes que estarão em votação simultânea em trinta países são os seguintes: “Girls Lost” da Suécia; “Miss Impossible” de França; e “Rauf” da Turquia (informação detalhada abaixo).

Estas longas-metragens foram selecionadas por um comité internacional composto por Melinda Boros (Clorofilm/Roménia), Marjo Kovanen (Koulukino/Finlandia), Beata Marciniak (New Horizons Association/Polónia), Marta Nieto Postigo (Drac Màgic/Espanha) e Jakub Viktorin (Visegrad Film Forum/Eslováquia).

O resultado de cada país será comunicado eletronicamente à EFA, em Berlim, e o vencedor anunciado via videoconferência em todos os países em simultâneo.

Já na sua quinta edição, o Young Audience Awards marca presença nos seguintes países: Alemanha (Berlin & Erfurt); Áustria (Viena); Bélgica (Bruxelas); Bulgária (Sofia); Chipre (Pafos); Croácia (Zagreb); Dinamarca (Aalborg); Eslováquia (Bratislava); Eslovénia (Izola); Estónia (Tallinn); Geórgia (Tbilisi); Grécia (Atenas); Hungria (Budapeste); Israel (Tel Aviv); Itália (Florença); Kosovo (Prizren); Letónia (Riga); Luxemburgo (Luxemburgo); Macedónia (Skopje); Malta (Saint-Julian’s); Noruega (Tromsø); Polónia (Wrocław); Portugal (Lisboa); Reino Unido (Londres); Roménia (Cluj-Napoca); Sérvia (Belgrado); Espanha (Avilés & Barcelona); Holanda (Amsterdão); Turquia (Antalya) e Ucrânia (Kiev). Este ano a votação em Berlim contará pela primeira vez com o voto de crianças refugiadas, numa forte mensagem de apoio à sua inclusão e integração.