Depois de «Dia da Independência» (1996), «Godzilla» (1998 ) e «O Dia Depois de Amanhã» (2004), Roland Emmerich (orealizador) traz-nos de volta um tema muito abordado nos seus filmes, “o fim do mundo”, com «2012». Este é o típico blockbuster que não gosta de colocar o seu público a pensar. Cheio de efeitos especiais, com cidades a serem completamente dizimadas e outras a serem engolidas pela força do mar,  este filme é uma catástrofe em todos os sentidos. Emmerich não esteve numa atitude de poupar, esteve sim, numa atitude de gastar o suficiente para que os efeitos especiais parecessem o mais reais possíveis, atingindo um orçamento de 260 milhões de dólares. E com tanta publicidade, por todo o mundo, esperava-se um pouco mais de Emmerich.

«2012» começa por nos explicar a profecia Maia, que de acordo com um dos seus calendários, o fim do Mundo seria a 21 de Dezembro de 2012. Mas este não significaria a sua destruição, mas sim o início de uma nova vida do Homem. Muitos cientistas durante séculos estudaram esta profecia, mas nunca chegaram a qualquer conclusão. Mas, um desconhecido especialista, chamado Adrian Helmsley (Chiwetel Ejiofor) consegue provar que esta profecia se vai concretizar. Entretanto, temos o nosso protagonista, Jackson Curtis (John Cusack), um simples cidadão americano, que vai tentar salvar a sua família, desta desgraça.

«2012» é um filme que consegue ser bastante aborrecido, sendo que grande parte da destruição aparece no início do filme e o resto da história centra-se na corrida de nove personagens à China, onde quem tiver um bilhete pode entrar numa grande nave, salvando-se. Este filme consegue ter momentos inimagináveis, como por exemplo, no início, quando Jackson fogecom a sua família, da cidade de Los Angeles, da destruição total à sua volta, dentro de uma limusina. Ou por exemplo, quando jackson estava dentro de uma auto-caravana e esta cai num buraco muito fundo, o impossível acontece. Jackson salva-se!

Em termos técnicos não há muito a referir, o filme está cheio de efeitos especiais e a fotografia e a banda sonora são de fraca qualidade. O seu elenco é pequeno e muito fraco. Normalmente este género de filmes não prometem muito. «2012» foi um falhanço total, juntando-se à “lixeira” de filmes maus, dentro deste género. Roland Emmerich apenas conseguiu fazer um filme minimamente interessante, «O Patriota» (2000). «2012» conseguiu ser uma catástrofe em todos os aspectos!

Realização: Roland Emmerich

Argumento: Roland Emmerich

Elenco: Chiwetel Ejiofor, John Cusack

EUA/2009 – Ficção Cientifica/Drama

Sinopse: Alguns séculos atrás, os Maias deixaram-nos o seu calendário com uma data para o fim do Mundo. Desde então, os numerólogos encontraram padrões que prevêem esta catástrofe, os geólogos dizem que a Terra vai dar de si, e nem mesmo os cientistas podem negar o cataclismo de proporções épicas que nos espera em 2012. Uma profecia que começou com os Maias já foi vastamente discutida, falada, desmontada e examinada. Em 2012, saberemos. Nós fomos avisados…

«2012» - Uma Autêntica Catástrofe
0.5Valor Total
Votação do Leitor 0 Votos