O destaque da semana é “A Conspiradora” (2010), o novo filme do actor e também realizador Robert Redford, que desde 2007 não fazia um filme, ano em que realizou “Lions for Lambs” (2007). Robert já realizou oito longas-metragens, que incluem “Gente Vulgar” (1980) (que venceu quatro Óscares da Academia, incluindo Melhor Realizador), “Duas Vidas e Um Rio” (1992) e “O Encantador de Cavalos” (1998). Em “A Conspiradora”, Robert, apresenta-nos um drama histórico, baseado num acontecimento verídico que se tornou um marco na história dos EUA durante os críticos anos da Guerra de Secessão. O elenco é composto por James McAvoy, Robin Wright, Kevin Kline e Evan Rachel Wood.

 

Washington, 1865. Durante a apresentação da peça “Our American Cousin” no Teatro Ford, Abraham Lincoln, o 16º presidente dos EUA, é assassinado por uma bala à queima-roupa. Oito pessoas são acusadas de conspiração, entre elas Mary Elizabeth Jenkins Surratt (Robin Wright), a proprietária da pensão onde os sete homens se reuniram para planear o rapto do presidente em troca da libertação de prisioneiros confederados, e que, tragicamente, culminou em morte. Apesar de sempre se declarar inocente, Mary Surratt torna-se o “bode expiatório” de uma nação sedenta de justiça e vingança. E é então que Frederick Aiken (James McAvoy), um advogado de 28 anos, ciente das dificuldades mas crendo na sua inculpabilidade, decide defendê-la em tribunal militar. Mas, mesmo conseguindo provar a sua inocência, conseguirá o jovem advogado salvar-lhe a vida?

Sinopse: Cinecartaz Público