O destaque desta semana é “A pele onde eu Vivo”, o mais recente filme do cineasta espanhol Pedro Almodóvar, que retrata a obsessão, a vingança e a capacidade de sobrevivência. O argumento baseia-se na novela de terror “Tarântula”, escrita em 1995, pelo francês Thierry Jonquet. Conta no elenco principal com, Antonio Banderas, Elena Anaya, Jan Cornet, Marisa Paredes. “La Piel Que Habito”, que estreou em Cannes 2011, tem dividido opiniões na crítica, por ser bastante diferente do que estamos habituados a ver nos seus filmes anteriores. Estreia hoje nas salas de cinema portuguesas.

 

Há 12 anos, Robert Ledgard (Antonio Banderas), um cirurgião plástico reconhecido pelas suas investigações em terapia celular, perdeu a mulher num terrível acidente de viação que lhe causou queimaduras e lhe desfigurou o rosto. Desde então, vive em clausura na sua mansão, obcecado com a sua nova descoberta: uma pele artificial que, apesar de sensível ao tacto, não sente dor e é quase indestrutível. Porém, o avanço da pesquisa presume encontrar uma vítima que se possa transformar numa cobaia humana. Para isso, o Dr. Ledgard decide ultrapassar todos os conceitos éticos ou deontológicos, tornando uma jovem sua prisioneira.

Sinopse: Cinecartaz Público