Destaque da Semana: “A Quimera do Ouro” e "O Garoto de Charlot"

O destaque desta semana é dedicado a Chaplin, com a reposição de Cópias Digitais Restauradas, dos filmes “A Quimera do Ouro” e “O Garoto de Charlot”, pela Midas Filmes no Cinema Ideal, em Lisboa. A propósito do centenário de Charlot e do 125º aniversário de Charlie Chaplin, destacamos estas duas obras primas do cinema que são agora repostas em sala.

“A Quimera do Ouro” foi para Chaplin o “filme pelo qual gostaria de ser recordado”. É uma das suas maiores comédias e também um dos cem melhores filmes americanos, segundo o American Film Institute. Neste filme, o “Vagabundo” vai à procura de fortuna no Yukon e atravessa momentos difíceis que transforma, como sempre, em episódios de humor.

Ao sair do hospital com o seu recém-nascido nos braços, uma jovem muito pobre (Edna Purviance) decide deixá-lo dentro de uma limusina estacionada em frente a uma igreja. Esperançosa de que alguém o aceite, deixa uma nota e foge, com intenção de cometer suicídio. Porém, a viatura é roubada por dois homens e, depois de uma série de peripécias, um vagabundo de bom coração (Charlie Chaplin como Charlot, a sua personagem predilecta) não vê outra solução que não seja levar o bebé para casa e cuidar dele. Cinco anos depois, a criança (Jackie Coogan) e o seu pai adoptivo são inseparáveis, e o pequeno é uma ajuda preciosa no trabalho de reparação de vidros “acidentalmente” partidos. A mulher, por seu turno, que afinal sobreviveu à tentativa de pôr fim à própria vida, é hoje uma famosa cantora de ópera. A sua felicidade seria total se não vivesse o desgosto de ter abandonado o filho. Tudo o que ela deseja é reencontrar a criança. Um dia, por mero acaso do destino, os três cruzam-se na rua. Realizada por Charlie Chaplin – que se inspira na miséria da sua própria infância –, uma comédia dramática sobre o amor que permanece uma das mais importantes referências cinematográficas de todos os tempos.

Sinopse: Cinecartaz Público