O destaque desta semana é “Micmacs – Uma Brilhante Confusão”, o mais recente filme do cineasta francês Jean-Pierre Jeunet que com conseguiu criar uma legião de fãs em todo o mundo, com o seu estilo muito próprio de contar histórias. Começou a dedicar-se à realização de longas-metragens em 1991, com “Delicatessen” (1991), que foi bem aceite pela crítica e pelo público. Seguiram-se mais cinco longas, cheias de prémios e de muito público, “A Cidade das Crianças Perdidas” (1995), “Alien: O Regresso” (1997), “O Fabuloso Destino de Amélie” (2001), “Um Longo Domingo de Noivado” (2004), e “Micmacs – Uma Brilhante Confusão” (2009). O filme de Amélie foi talvez o seu maior sucesso de sempre, tornando-se num verdadeiro clássico do cinema. “Micmacs – Uma Brilhante Confusão”conta com um elenco de peso, do melhor que há no cinema francês, Yolande Moreau (“Séraphine” (2008 ), Dany Boon (“Bem – Vindo ao Norte” (2008 ) e Jean-Pierre Marielle (“O Código Da Vinci” (2006)). Micamacs foi apresentado em ante-estreia na Festa do Cinema Francês e no Fantasporto 2011 e estreia, finalmente, hoje nos cinemas nacionais.

 

Bazil (Dany Boon) é um rapaz com azar. Primeiro, uma mina leva-lhe o pai soldado. Trinta anos depois, uma bala perdida arranca-o à sua existência rotineira e torna-o num sem-abrigo. Mas é nas ruas de Paris que se faz amigo de Placard (Jean-Pierre Marielle), que o convida a juntar-se ao grupo com quem vive, que mora no interior de uma lixeira. E quando Bazil descobre, por puro acaso, os dois fabricantes de armas responsáveis pelos incidentes que lhe marcaram o destino, decide vingar-se de uma forma pouco ortodoxa, ajudado pela sua nova “família” e pelos seus improváveis poderes.